[Jornada] Connor Munhoz

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Dom 22 Jun 2014, 19:09

Jornada de Munhoz


Naquela segunda-feira, eu fiz algo incomum: acordei com a função de despertador de meu smartphone tocando às 5 horas da manhã. A minha vontade de levantar era nula. Entretanto, puxei minhas cobertas azuis de lado e apertei o botão do aparelho eletrônico, que ordenava que a série alta de bipes parasse de tocar. Bocejei e esfreguei os olhos, desgostoso, mas animado. Aquele era o dia em que eu me tornaria algo a mais. O dia em que eu me tornaria um Treinador Pokémon. A ideia me encantava e me assustava ao mesmo tempo. Será que eu estava fazendo a escolha certa ao me despedir de minha família e passar sabe-se lá quantos meses atravessando o continente de Unova de Sul a Norte? Ou, mais importante, eu teria capacidade para isso? Se eu falhasse em minha primeira ou segunda luta de Ginásio, eu voltaria correndo para casa com o rabo entre as pernas? Ou eu morreria de fome na minha primeira tentativa de acampar? Aquelas eram dúvidas que cruzavam minha mente a todo momento.

Afastei-as, entretanto, e me sentei na beirada da cama. O Sol ainda não havia nascido completamente, o que deixava o quarto escuro, apenas iluminado pela luz fraca proveniente de meu celular. A porta que levava ao corredor estava fechada. A que dava ao banheiro estava entreaberta. Observei o resto do quarto. Do lado de minha cama havia uma escrivaninha, onde descansavam um abajur, meu já mencionado smartphone e alguns livros. Encostada na mesma estava a minha mochila, já preparada há uma semana, que eu levaria em minha jornada. Nela havia tudo de que eu precisaria. Assim eu esperava. Do outro lado do quarto havia os meus armários, cheios com roupas das melhores grifes de Kalos e Castelia. Ao lado deles, uma estante com uma televisão, um videogame e todos os meus jogos arrumados e organizados em gavetas. Meu quarto era imenso.

Bocejei novamente e levantei da cama. Calcei meus chinelos e andei até a janela, abrindo-a logo em seguida. O delicioso cheiro de maresia inundou minhas narinas. Eu estava observando o oceano pela manhã, já movimentado e cheio de atividade, apesar do cedo horário. No porto, dezenas de homens carregavam e descarregavam caixas, mexiam em cordames, ligavam e testavam motores. Mais ao leste, um enorme cargueiro estava sendo carregado para partir em poucas horas, levando mercadorias sabe-se lá para onde. No mar aberto, navios iam e vinham, formando um oceano de metal e madeira em cima do oceano, no qual eu sabia que, no fundo, a vida marinha de Pokémons estava tão movimentada quanto.

O meu apartamento era localizado na Oceanfront Road, a rua mais importante e cara de Castelia City. Como o nome diz, ela dava de frente para o porto e o oceano. Isso a tornava bem barulhenta, mas também essencial para o transporte de bens das docas para Castelia City e então, para o resto de Unova. Dessa rua, era possível chegar a qualquer lugar da cidade. E as moradias nela eram reservadas apenas para a Elite da metrópole. Meus pais, donos de uma das maiores empresas de tecnologia do continente, estavam nessa categoria. O que me incluía nela também.

Afastei esses pensamentos, fechei a janela e acendi a luz. Prossegui então a trocar de roupa. Livrei-me de meu pijama azul (já dá para perceber a minha cor favorita a essa altura, não?) e abri uma gaveta. Minha mãe tinha essa necessidade imensa de comprar dezenas de roupas para mim. Inutilmente, uma vez que eu costumava utilizar apenas um conjunto. Vesti uma camiseta de algodão e jeans azuis. Coloquei por cima um moletom branco e calcei tênis da mesma cor. Entrei no banheiro e escovei meus dentes, aproveitando também para... "tirar a água do joelho". Penteei meu cabelo da forma usual e caminhei até a escrivaninha. Busquei meus óculos e os coloquei, imediatamente enxergando o mundo muito melhor. Então agarrei minha mochila. Olhando-me no espelho dentro de um de meus armários, conclui que eu parecia muito um aventureiro comum, ao invés de um rico mimado. Sorri de alegria.

Quando eu apareci no pé da escada no andar de baixo, de frente para a sala de estar, minha mãe soltou um gritinho. Seu nome era Amelia Munhoz. Possuía cabelos loiros compridos, terminando logo abaixo de seus ombros. Sua pele era branca, como a minha, e seus olhos eram verde-escuros. Seu sorriso era lindo, digno de uma modelo de Nimbasa City (o que ela já havia sido, na juventude), mas era também quente e aconchegante, próprio de uma mãe carinhosa de 45 anos. Naquela manhã, ela vestia seu pijama vermelho e pantufas com formato de Lillipup. Quando eu entrei no cômodo, ela estava no sofá, mas imediatamente levantou-se e veio me abraçar.

- Filho, você está lindo! Nossa, mal posso acreditar que você está saindo de casa. Eu vou sentir tanta saudades. - ela disse, com um princípio de lágrimas nos olhos. Ela era uma mulher forte, com braço de ferro para comandar uma companhia do tamanho da sua. Mas era também bastante sentimental. Me apressei em consolá-la.

- Está tudo bem, mãe! - eu disse, sorrindo. - Eu volto logo, lembra? O terceiro Ginásio é em Castelia City. E eu prometi que viria dormir aqui e contar a vocês todas as minhas aventuras até então. E, depois disso, prometo vir visitar assim que terminar as coisas em Opelucid City. Eu tenho um pressentimento que vou pegar as 8 insígnias bem antes da Liga, de qualquer forma.

- Você presume muito, criança. - ouvi a voz atrás de mim. Virei-me e dei de cara com meu pai, me observando com um misto de julgamento e afeto. Arthur Munhoz tinha 52 anos. Era alto, musculoso e intimidador. Seus cabelos curtos eram negros e sua pele era levemente morena. Os olhos azuis pareciam perfurar você e avaliar a sua própria alma. Dessa forma ele conseguia manter o controle sobre a sua empresa e todos os contratos que conseguia. Além disso, era um homem inteligente e cheio de recursos. Porém, era o meu pai e, comigo, era o cara mais atencioso e carinhoso do mundo.

- Eu sei muito, pai. - retruquei, sorrindo.

- Não sabe, não. Você nem sabe se vai passar da primeira insígnia, garoto. - ele disse, a cara séria. Atrás dele estava o seu fiel companheiro Pokémon: Robert, o Reuniclus. - Ouvi dizer que aquele Ginásio é bem forte.

- Eu serei mais. Eu terei mais habilidade e mais estratégia. Mostrarei a eles como se faz.

- Vamos ver. - ele respondeu com a face dura como pedra. Então aliviou a expressão e deu um sorriso. - Eu sei que irá, filho. Você nunca decepcionou, não é mesmo?

- Até hoje. Pretendo continuar assim. - sorri de volta.

- Tá certo. E então, já está pronto? Seu navio sai em meia hora. Já tomou café?

- Não ainda, mas eu sei que terá alguma coisa para comer no barco. Melhor eu não me atrasar, não acha? Além disso, eu preciso começar a me acostumar a comer fora de casa. - argumentei.

- Hmm... Bom ponto. Você pegou a mochila, muito bem. Está com as roupas apropriadas, muito bem...
 
Nesse momento, minha mãe o cortou, reprovando:

- Por que o garoto não consegue escolher uma roupa decente? Eu compro pra ele tudo do bom e do melhor e ele me vem vestindo isso? Parece um mendigo...

- Mãe. - eu chamei. - Eu não posso viajar de grife. Preciso ir com roupas resistentes, casuais e que me abriguem dos elementos . Não é um jantar caro. É uma aventura pelo continente.

- Certo, certo... Tem razão. - ela murmurou, ainda indignada.

- Ok, pai e mãe. - eu falei. - Estou pronto. Peguei tudo, arrumei tudo... Agora só falta sair. Eu vejo vocês em algumas semanas, não se preocupem. Até lá, tenho certeza de que vocês acharão bastante com o que ocupar as suas mentes.

- Você tá certo, Connor. - concordou meu pai. - Vá então. Te amamos muito, ok? Não se esqueça disso. Vá e traga honra ao nome da família.

- Isso aí, filho. - completou minha mãe.- Te amo muito! Até logo!

- Tchau, pai. Tchau, mãe. Volto em breve! - eu terminei, tornando a despedida mais longa do que eu pretendia. Afinal, eu queria ir. Eu queria sair de casa, explorar o mundo, fazer algo de útil com meus 15 anos. Mas eu também ia sentir falta daquela família. Talvez minha viagem durasse meses, talvez um ano. Era bastante tempo. Eu falaria com eles pelo celular, é claro. Mas não seria a mesma coisa que abraçá-los, jantar na mesma mesa... Droga, pare de pensar nisso! Dei um beijo e um abraço em ambos, saí pela porta, desci pelo elevador e brotei no térreo. Me despedi do porteiro, o senhor Jones, e abri a porta que dava na movimentada Oceanfront Road.


Peguei o barco no horário combinado: 6 horas da manhã. A viagem foi tranquila. Comi torrada com manteiga e tomei leite com achocolatado como café da manhã. Como a passagem de Castelia City até Nuvema Town durava 3 horas, aproveitei meu tempo para conversar com as pessoas a bordo. Muitas estavam em seu caminho para se tornarem Treinadores, Coordenadores ou Criadores Pokémon. Nem todos estavam destinados a Nuvema, entretanto. Alguns queriam ir para os continentes distantes de Sinnoh, Hoenn e até Kanto. Pareciam bastante animados e confiantes. Desejei a todos boa-sorte e sentei-me no convés, mexendo um pouco na internet de meu smartphone.


Às 9 horas e 14 minutos, o navio aportou em Nuvema Town. Agarrei minha mochila e me preparei para o desembarque. Andei pelas docas até as ruas da cidade. Era um pequeno vilarejo, na verdade. O ar rural se misturava com o cheiro de maresia, criando uma combinação gostosa que eu não sentia há muito tempo. As casas de dois andares de madeira e palha eram minúsculas em contraste com os altos arranha-céus de concreto e aço da minha cidade natal. O povo andava nas ruas, todos sorrindo e sem pressa. Nenhum deles parecia estressado, atarefado ou apressado. Muitos paravam para conversar com conhecidos com quem esbarravam aleatoriamente. Afinal, todos pareciam se conhecer. Também vestiam roupas mais simples, característica das cidades menores. Em Castelia, a vestimenta menos formal que você encontraria nas ruas seria uma camisa social. As diferenças entre as duas cidades eram gritantes e eu adorava isso. Logo ali eu já encontrava o que eu queria nessa jornada: ver o mundo.

Por ser minúscula e ter pouquíssimos habitantes, não foi difícil encontrar o laboratório da Professora Juniper. Eu já conhecia a mulher, obviamente. Era uma das clientes da empresa de meus pais, uma vez que as suas pesquisas constantemente necessitavam de tecnologias novas. E a MunhozTech estaria feliz em fornecê-la... por um preço. Eu já havia conversado com a mulher antes, em alguns jantares formais. Parecia ser uma pessoa legal. E era ela quem, agora, me daria a escolha de Pokémon inicial. Eu tinha uma ideia de quem escolheria, mas preferia ver todas as opções primeiro. Afinal, eu poderia cometer o meu primeiro erro logo ali: na escolha do meu primeiro monstrinho. Isso seria algo trágico. Porém, eu estava confiando na minha capacidade de fazer a decisão acertada.

Após andar alguns quarteirões esbarrei no enorme complexo que era o laboratório. Por fora a sua pintura branca brilhante contrastava com a cor marrom predominante no resto da cidade. O seu tamanho também se destacava, tendo vários metros quadrados de extensão e pelo menos 4 andares. Era cercado por um jardim, cheio de árvores e, pude notar, alguns Pokémons: Pidoves, Lillipups, Patrats. No centro desse jardim havia um pequeno lago, onde vi um ou dois Timpoles. A vida Pokémon ali florescia tanto quanto a vida intelectual no interior. Era exatamente como eu imaginava o laboratório mais importante de pesquisas de Unova. Lá dentro, minha aventura começaria de vez. Caminhei pela calçada de pedras que levava à entrada e, quando finalmente atingi as portas de vidro opaco, parei para respirar fundo.

- Você consegue. - murmurei para mim mesmo, tomando coragem. Então, sem pensar de novo, dei um passo para a frente e as portas automáticas se abriram.


Última edição por SempreMunhoz em Seg 23 Jun 2014, 00:54, editado 2 vez(es)
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Shion Shimizu em Dom 22 Jun 2014, 21:14

A porta se abriu lentamente. O garoto, em leves passos adentrou o local. A primeira coisa que o jovem aspirante a Treinador viu foi uma série de bancadas e mesas, todas cobertas de papel, xícaras de café e Pokéballs, sem contar nos inúmeros computadores e equipamentos tecnológicos que ali continham. Cientistas apressados corriam de um lado para o outro, todos tentando desesperadamente completar seus projetos e pesquisas. Encostadas nas paredes jaziam dezenas de estantes cheias de livros, todos direcionados a pesquisas.

Atrás de tudo isso, em uma sala menor no final do laboratório, uma jovem mulher, bonita também, porém atrapalhada, não estava conseguindo organizar muita coisa em sua sala, além de o aposento estava bastante bagunçado, cheio de papel no chão, mas ainda assim, isso não surpreendeu o jovem Treinador, assim que a cientista o viu abriu um sorriso e e aproximou para cumprimentar o garoto.


- Olá, meu jovem! - disse a Professora Juniper. - Está aqui para pegar seu primeiro Pokémon? Por favor, me acompanhe.

A professora guiou então o treinador até a sala na qual estava alguns segundos antes. Nela não havia muita coisa: apenas uma mesa, uma maleta e uma série de gavetas em escrivaninhas de metal.

Juniper então abriu a maleta de couro, revelando três Pokéballs em seu interior. Uma por uma, ele foi abrindo-as e liberando os Pokémons ali contidos. Por fim, três monstrinhos bastante peculiares se encontravam no recinto.


- Aqui eu tenho um Snivy, do tipo Grama, Tepig, do tipo Fogo, Oshawott, do tipoÁgua e Sewaddle, do tipo Inseto/Grama, e então, se interessou por algum?
avatar
Shion Shimizu
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 17
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 19

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1200

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Seg 23 Jun 2014, 19:40

Naquele momento, eu observei as criaturas à minha frente, tentando analisá-las individualmente. O Sewaddle foi o primeiro que me chamou atenção. Não de um jeito positivo, é claro. Apesar de ser uma visão diferente dentro das paredes daquele laboratório, eu entendia que era um Pokémon bem comum. Eu poderia encontrá-lo aos montes aí por fora, muitas vezes contra a minha vontade. Em muitos lugares de Unova, na verdade, aquele insetinho era considerado uma praga. Além disso, eu não senti uma grande atração por ele. Eu já havia lido histórias sobre como Treinadores escolhem o seu primeiro companheiro, aquele que irá lhe acompanhar por toda a sua jornada. Normalmente eles sentem uma conexão com o bicho. Alguma espécie de sentimento que diz: "É isso, esse é o certo!". Não havia aquilo com a lagarta de grama. Afaguei sua cabeça delicadamente enquanto negava com a cabeça.

- Sinto muito. - me desculpei.

A seguir vinha o Oshawott. A lontrinha me observava com os olhos bem abertos. A concha, normalmente apoiada no abdômen, dançava entre suas mãos. Ele estava nervoso, eu podia ver. E queria ser escolhido. No entanto, assim como ocorrera anteriormente, eu não havia sentido qualquer conexão ou sentimento especial para com a criatura. Ela parecia bastante insegura e, talvez, ansiosa. Não considerei como sendo boas características de um Pokémon inicial. Principalmente não para mim. Estendi a mão para ele, a qual ele agarrou de imediato, os olhos brilhando.

- Me desculpe, amigo. - disse eu, forçando um sorriso. - Mas talvez outro dia.

Voltei os olhos então para as duas opções restantes. A professora Juniper parecia me observar com curiosidade e interesse em tentar desvendar qual seria a minha escolha. Talvez ela soubesse antes de mim, uma vez que ela já havia visto inúmeros treinadores exatamente iguais a mim entrarem por aquela porta de vidro sozinhos e saírem com o melhor amigo de suas vidas. Porém, pensei, eles também podem ter saído com um fracasso total. Eu esperava não ser um desses.

Forcei minha mente a voltar ao assunto importante. Quem eu escolheria? O Tepig parecia confiante. Seus olhos estavam voltados para a frente, sem me encarar. Ele tinha todos os músculos rijos, a expressão séria. Ele queria mostrar força e capacidade. A cauda balançava apenas levemente de um lado para o outro, emitindo algumas brasas quase imperceptíveis enquanto o fazia. De vez em quando, um filete de fumaça escapava de suas narinas. Sua linguagem corporal entregava sua intenção: ele queria parecer obediente, poderoso e uma boa escolha. Me tentou de verdade. Ele se parecia com um soldado leal, que obedeceria a todos os meus comandos sem falhar e que atenderia às minhas expectativas. Mas e se... E se as minhas expectativas não estivessem 100% corretas? E se eu falhasse?

Foi então que meus olhos caíram sobre o último Pokémon da fileira. Suas costas estavam eretas e seu nariz empinado, parecendo um membro de alguma família Real há muito tempo perdida. Seus olhos estavam fechados e a cara virada levemente para o outro lado. As mãos, cruzadas atrás do corpo, balançavam leve e elegantemente. Parecia ser um Pokémon arrogante à primeira vista, mas por algum motivo, decidi me aproximar mais dele.

O Snivy abriu um de seus olhos quando ouviu-me aproximar. Me observou com uma antonímia de descaso e curiosidade. Ajoelhei ao seu lado e estendi a mão. Ele não se moveu.

- Olá. - cumprimentei. - Sou Connor Munhoz, de Castelia City. Sou um Treinador Pokémon.

Ele apenas abriu o outro olho. Não parecia tão ansioso como os outros Pokémons. Na verdade, ele até parecia... indiferente à minha escolha. Talvez. Por outro lado, ele também parecia portar confiança. Uma confiança tanto em minha capacidade de decidir, como em sua própria capacidade de ser o favorito dali. Ele não tentava se mostrar mais forte do que era, como o Tepig. Ele tinha plena consciência de suas habilidades. Além disso, ele não parecia ser um soldado submisso, mas um companheiro inteligente. Ele não seguiria minhas ordens sem questionar, mas completaria-as para torná-las perfeitas.

Virei-me para a Professora Juniper.

- Muito bem, professora. Vou querer o Snivy!

Ela sorriu.

- Uma ótima escolha, senhor Munhoz. - após dizer isso, a professora agarrou uma das Pokéballs na mesa e a abriu, o que imediatamente tornou o Snivy em um raio de energia azul e o recolheu para dentro da esfera bicolor, que foi então entregue a mim. Logo em seguida, a mulher me estendeu 5 outras Pokéballs, estas vazias, e um aparelho eletrônico de coloração azul escura. Eu o segurei, já sabendo seu nome.

- Uma Pokédex! - exclamei. - Uau... Eu já havia lido sobre elas, mas segurar uma de verdade... Impressionante, professora Juniper. Muito obrigado!

- Não há de quê. - ela respondeu. - Você deve saber que ela também tem uma função de mapa. Você pode ver o seu próximo destino.

- Agradeço. Agora, devo me despedir. Está na hora de começar a minha jornada.

- Certamente. - a professora concordou e caminhou comigo até a porta do laboratório. Nos despedimos e prometi que mandaria notícias de minhas capturas de vez em quando. Então encostei na parede do laboratório enquanto acessava o mapa de meu aparelho eletrônico e tentava decidir o meu próximo destino.

- Rota 01, parece. - sussurrei para mim mesmo. Guardei a nova Pokédex no bolso e comecei a andar. Por ser minúscula, atravessei a cidade em alguns poucos minutos. Ainda eram 10 horas da manhã quando eu finalmente atingi os limites de Nuvema Town e a placa que dizia em letras grandes e floreadas: Rota 01 de Unova. Segurei com um pouco mais de força a Pokéball de Snivy, agora em meu bolso.

- Vamos ver que tipos de desafio encontramos por ali, certo? - perguntei para ninguém em específico enquanto seguia em direção ao minúsculo pedaço de estrada de terra no meio das campinas verdes e dos densos arbustos recheados de vida selvagem.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Lady McCartney em Ter 24 Jun 2014, 13:01

Em passos largos e ansiosos, o garoto adentrou a extensa rota conhecida como Rota 01.
O local era bonito e arborizado. Haviam muitos lugares para se explorar, embora houvesse uma região a sudeste cujo o acesso era dificultado por uma densa vegetação e um canal, que requeria o HM 03 - Surf. Então, os lugares em que o garoto poderia ir se limitavam a uma única porém, extensa, estrada de terra que ligava à cidade de Accumula.
Quanto à exploração, o garoto não perdeu tempo, assim que pôs o pé na rota, abriu todos os sentidos para o possível presença de um pokémon em meio as vegetações. Sem resultado. Mas persistiu. Não demorou muito para que escutasse uma barulho, e então, visse algumas folhagens se remexendo. Novamente, foi à luta. Se aproximou da moita.
Acabou levando um enorme susto quando um pequeno cachorro saltou da relva, feroz, talvez pensando que o garoto estivesse indefeso, pronto a atacar.

Lillipup
Level 03 (Ability: Pickup)
Batalhar? | Fugir? | Capturar?

avatar
Lady McCartney
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 43
Data de inscrição : 17/06/2014

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1000

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Qua 25 Jun 2014, 16:08

Minha tentativa de encontrar um Pokémon para batalhar havia sido um sucesso, pelo menos parcialmente. Eu havia encontrado um Lillipup que aparentava certa força, me observando com olhos semicerrados de desafio. A parte ruim, entretanto, é que eu estava caído no chão, praticamente indefeso, enquanto ele se aproximava. Deixei para perceber naquele momento que, em minha pressa para começar a explorar, eu havia pulado um passo importantíssimo de ser um Treinador. Havia esquecido de conhecer meu Pokémon e conversar com ele, a fim de estreitar nossos laços de amizade. Acho que teria que fazer isso da maneira prática: em uma batalha.

O pequeno Lillipup continuava a me observar, aguardando para ver se eu faria algum movimento. Com calma, dirigi a mão direita ao bolso de minha calça. A esquerda mantive levantada, a fim de representar uma paz que eu não pretendia. E acho que o Pokémon filhote percebeu isso, pois lançou-se em uma investida (Tackle) veloz mirando em meu peito. Por um instinto que eu não sei da onde veio, rolei para o lado e levantei-me em um pulo, desviando por pouco do ataque de Lillipup e, ainda, alcançando a Pokéball de Snivy. Apertei o botão em seu centro com um senso de urgência e fiquei aliviado ao ver a figura do meu novo companheiro surgir no chão de grama. Sua expressão era a mesma que portava no laboratório: calmo, confiante e inteligente. Seu nariz estava empinado e as mãos cruzadas atrás das costas.

Minha curiosidade aumentando, saquei a minha Pokédex azul escura. Primeiramente, apontei-a para o meu próprio Snivy. O aparelho escaneou-o por alguns segundos e então, mostrou algumas informações em sua tela quadrada, ao mesmo tempo em que uma voz feminina explicava:

Pokédex - Snivy:


Snivy
Habilidade: Contrary
É uma criatura inteligente e calma. Snivy realiza a fotossíntese ao expor a sua cauda a um banho de sol. Quando não está se sentindo bem, a sua cauda abaixa.

Observei aquelas informações mais uma vez. Uau, aquilo era bastante revelador. Ter conhecimento de seu comportamento era interessante, mas o mais útil ali era a sua habilidade. O Contrary faria com que qualquer alteração de status feita em Snivy teria o efeito contrário. Se Lillipup não soubesse disso, eu poderia abrir algumas boas oportunidades. No entanto, o que chamou a minha atenção logo a seguir foi algo que surgiu logo no começo. Aquele símbolo, conhecido internacionalmente, tinha um significado bastante específico e surpreendente.

- Você é uma garota? - perguntei, atônito. A minha Pokémon apenas acenou com a cabeça levemente com um sorriso, como se achasse engraçado eu só ter descoberto esse fato agora. Deixei isso de lado. O Lillipup ainda nos observava desafiadoramente e eu tinha a impressão de que ele não nos daria mais oportunidade para conversa. Era a hora de levarmos a batalha a ele!


- Muito bem, Snivy! - comecei, um tanto nervoso. - Vamos tentar um Tackle!
Enquanto Lillipup ainda nos observava com  receio, Snivy foi direto e objetivo. Suas pernas traseiras imediatamente começaram uma corrida até a posição do adversário, realizando um salto no último minuto para impulsionar o corpo de minha serpente contra o do cachorro inimigo. Este foi empurrado alguns centímetros para trás, arrancando alguns tufos de grama do chão. Porém, agora que sabia que nossa intenção era hostil, Lillipup perdeu sua hesitação. Repetiu o nosso movimento, realizando outro Tackle. Arremessou também de encontro a Snivy, que, apesar de tentar se manter firme, foi também arremessada para trás e derrubada no solo, completamente vulnerável.

- Certo. Levante-se e use o Leer! - ordenei, pensando em uma estratégia.
A Serpente de Grama não decepcionou. Apesar de sua expressão estar visivelmente irritada por ter sido atingida, ela eficientemente tornou seus olhos brilhantes com uma luz vermelha, ameaçadora. Lillipup, ao encará-la, sentiu toda a fúria contida naquele pequeno corpo serpentino e intimidou-se, algo que diminuiu a sua Defesa em um estágio. Ciente disso, o filhote de cachorro decidiu agir novamente na ofensiva. O seu Tackle foi repetido e ele novamente lançou-se como uma pequena locomotiva na tentativa de atingir Snivy com o seu corpo em velocidade. Desta vez, porém, minha Pokémon estava preparada. Com um movimento ágil de seu corpo esguio, ela saltou no ar e deixou Lillipup trovejar por baixo de si, atingindo nada mais sólido do que o ar próximo de mim. Com um baque suave e uma postura elegante, Snivy voltou ao solo atrás de seu adversário, na posição perfeita para um ataque surpresa.

- Tackle! - gritei imediatamente.
Sem perder um segundo sequer, Snivy abaixou a sua cabeça e partiu a sua corrida em grande velocidade. Lillipup não teve como competir com a velocidade incrível de minha serpente e, devido à isso, não pode reagir. O ataque da Pokémon de grama foi certeiro no traseiro do cãozinho, lançando-o com força contra uma árvore próxima. O golpe por trás somado à queda na Defesa de Lillipup haviam o danificado seriamente. Portanto, ele deve ter achado que uma estratégia diferente pela parte dele seria melhor adequada. Quando virou-se novamente, após alguns segundos se recuperando da pancada, seus olhos brilhavam tão forte e intimidadoramente quanto os de Snivy há um minuto. O Leer de Lillipup fora realizado, mas devido à habilidade Contrary de Snivy, teve o efeito oposto. Sem que o filhote de cachorro soubesse, a Defesa da serpente havia sido aumentada em um estágio, ao invés de reduzida.

- Lance outro Leer e faça um Tackle!
Snivy me obedeceu prontamente. Sua face se curvou novamente nas feições assustadoras e brilhantes que assustaram o pequeno Lillipup e lhe renderam menos um estágio em sua Defesa. Então, como se em apenas uma movimentação, a serpente acelerou em direção ao seu adversário, o corpo preparado para aquilo que parecia já ser o movimento final. Entretanto, algo nos surpreendeu. Talvez percebendo a sua derrota iminente, Lillipup optou por sacar as armas grandes. Aguardou Snivy pacientemente e, quando decidiu que ela estava perto o suficiente, abriu a sua boca e encheu-a com chamas vermelhas. Era um Fire Fang (EggMove)! Já tendo adquirido demasiada inércia para parar, a Pokémon de grama se dirigiu bem para o meio da mandíbula flamejante do adversário, atingindo-o em cheio com o movimento mas sendo também acertada pela quente mordida na cabeça. Lillipup recuou alguns passos devido à força da adversária, mas latiu alegremente, sabendo que havia igualado mais as coisas com seu movimento super efetivo.

- Snivy! Ok, certo... - eu disse, tentando pensar. Eu sabia que a única coisa que impedira Snivy de colapsar bel ali havia sido a sua Defesa aumentada. E eu também tinha plena consciência que ambos os Pokémons estavam perigosamente próximos de caírem. Provavelmente ganharia o próximo a desferir um movimento. Mas como eu garantiria que seria a minha Pokémon? Pensei, até ter uma ideia.

- Use o Tackle novamente!
Snivy me observou incrédula. Lillipup, tendo ouvido a ordem, já devia estar preparando novamente a sua mandíbula de fogo. Porém, permaneci insistente e encorajei, com um gesto, que a serpente me obedecesse. Apesar de não querer, ela estava sem ideias, então fez o que eu disse. Deu um passo para trás e se lançou mais uma vez no seu ataque corporal. Lillipup, deliciado, abriu sua boca engolfada de chamas ardentes (Fire fang [EggMove]) . Porém, antes que os dois Pokémons tivessem o contato corporal que certamente resultaria na derrota mútua, eu gritei:

- Salte!
Como dessa vez Snivy estava mais próxima quando começou a tomar velocidade, não havia adquirido inércia o suficiente para ser impossível parar no meio do movimento. Com um pulo gracioso, ela passou por cima de Lillipup e deixou-o abocanhando o vazio. A serpente de grama deu uma pirueta no ar e aterrissou logo atrás de seu adversário, apenas esperando o movimento fatal.

- Tackle!
Não houve dúvidas. Sua velocidade fenomenal em ação, ela deu um impulso para a frente e, como ocorrera no início da batalha, atingiu o traseiro do adversário. Lillipup foi arremessado para a frente e chocou-se contra o barro úmido do chão. Seus olhos reviraram e ele parou de se mexer. Estava nocauteado. Eu havia adquirido a vitória!


Imediatamente corri até Snivy. Ela estava bamba, mal conseguindo se por de pé. Aquela batalha havia requerido muito da coitada. Afaguei a sua cabeça de leve e, apesar de não retribuir qualquer carinho, ela não reclamou.

- Parabéns, parceira. - disse eu, sorrindo. - Com uma ótima estratégia, fomos capazes de vencer! A nossa primeira batalha. Estou bastante orgulhoso.

Ela olhou para mim. Seus olhos pareciam estar agradecendo, embora eu não pudesse ter certeza. Havia concluído que aquela seria uma Pokémon que não demonstraria muitos sentimentos. Não havia problema. Seríamos uma ótima equipe mesmo assim. Optei por retorná-la à Pokéball para lhe dar um descanso bem merecido. Mais tarde poderíamos conversar melhor. Agarrei a minha Pokédex e acessei a sua função de mapa.

- Bem, parece que Accumula Town é o nosso próximo destino. - falei para ninguém em particular, enquanto tomava a estrada para o Norte e continuava seguindo minha jornada. Minhas vitórias haviam apenas começado.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Lady McCartney em Qua 25 Jun 2014, 22:06

+4 níveis para Snivy. Excelente batalha!

Accumula Town

Você chega a uma pequena cidade entre duas rotas. Parece ser uma cidade com vários níveis, cercada por muitas árvores e montanhas. Accumula Town aparentava ser uma pacata cidade, com pessoas trabalhando, crianças e pokémons brincando. O dia estava mesmo bonito. Mas não parece ter muito o quê fazer na pequena cidade. Deseja desfrutar um pouco da mesma?



Town Square

Uma pequena praça no meio da cidade. Não muito movimentada, porém bonita. Parecia haver um movimento um pouco estranho na mesma. O que será que estava acontecendo?

Pokémon Center

Um belo lugar para curar seus pokémons, conhecer outros treinadores, e também pernoitar, caso estiver cansado. Passar numa cidade sem passar em seu Centro Pokémon não pega bem para um treinador!

PokéMart

Precisando de pokéballs, ou outros itens úteis em sua jornada? Nos PokéMarts você poderá encontrá-los em quantidade.

Caso nenhuma das opções acima lhe agrade, você pode simplesmente seguir seu caminho, a aventura está apenas começando!


avatar
Lady McCartney
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 43
Data de inscrição : 17/06/2014

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1000

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Qui 26 Jun 2014, 17:17

A manhã já se aproximava das 11 horas e 30 minutos quando finalmente coloquei os pés em Accumula Town. Observei ao redor. A cidade era pequena, quase tanto quando Nuvema. Essa porém, parecia apresentar algumas mais atrações. Observei rapidamente a praça central, onde parecia estar havendo alguma coisa estranha. "Posso investigar mais tarde", pensei. Notei também a presença de um PokéMart e um PokéCentre. Fora isso, nada mais parecia ser de interesse. Alguns prédios de apartamentos de poucos andares pontilhavam a cidade, mas, no geral, ela parecia bastante rural e pacata. Meu plano era sair dali logo após o almoço para tentar alcançar Striaton City, minha próxima parada, antes do anoitecer. Com sorte eu não precisaria acampar a minha primeira noite.

Entretanto, eu lembrei de Snivy. A coitada havia sido bastante espancada na luta contra a Lillipup (descobri depois que também se tratava de uma fêmea) e precisava de descanso urgente. Mas pensei que tratados médicos, como aqueles oferecidos pelo Centro Pokémon, poderiam acelerar o processo. Vendo isso, optei por rumar naquela direção.

Quando cheguei na frente do edifício colorido de azul e laranja que era o Centro Pokémon, parei em frente às portas automáticas, que se abriram para permitir a minha entrada. O interior da construção era um ambiente agradável. O ar condicionado tornava a atmosfera mais fria e seca do que o ar de verão do exterior. Os sofás laranja espalhados pelo lobby de entrada eram o local de descanso de alguns poucos treinadores e seus Pokémon. Uma televisão estava pendurada na parede, passando algum programa de audiência cujo nome eu pensei ser "Thy's Pool". Meu interesse, no entanto, não era ver TV.

No fim do lobby havia uma bancada em semicírculo que separava a sala de espera da área da enfermaria. Atrás dessa bancada havia uma mulher de cabelos róseos mexendo em algumas Pokéballs e colocando-as em um aparelho. As esferas bicolores eram encaixadas em espaços especiais e começavam a brilhar levemente por alguns minutos. Então paravam e soava um apito. A mulher, que supus ser a enfermeira devido às suas roupas brancas e a cruz vermelha estampada em seu avental, procedia então a retirar as Pokéballs e entregá-las a um garoto que esperava sentado, que deveria ser o Treinador portador daquelas Pokéballs. Engraçado, pensei. Eu nunca havia visto como os Pokémons eram curados.

Me aproximei do balcão. A mulher me observou com um sorriso e iniciou a sua apresentação:

- Bom dia e bem vindo ao Centro Pokémon. Sou a enfermeira daqui e estaria mais que feliz em ajudar-lhe!

- Bom dia. Meu nome é Connor Munhoz e sou de Castelia City. Você poderia curar a minha Pokémon?

- Certamente. - ela disse e eu lhe entreguei a Pokéball. Ela se virou e colocou-a no aparelho, fazendo-a brilhar fracamente. Então voltou-se para mim. - Vai levar apenas alguns minutos, uma vez que os ferimentos de sua... Snivy não são graves. Poderia aguardar sentado, por favor?

- Vou ir ao refeitório comer alguma coisa. - disse eu. - Quando voltar pegarei a minha Pokémon.

Dito isso, segui em direção aos fundos do Centro Pokémon. Encontrei uma porta de metal que levava à área daquele edifício destinada ao consumo de refeições. Na cantina paguei um hambúrguer e um refrigerante e sentei-me em uma mesa para comer. Enquanto o fazia, refleti sobre a minha batalha recente. Era suposta a ser uma vitória fácil, uma vez que enfrentávamos um oponente bastante inferior ao nosso nível. Porém, ele havia sido capaz de surpreender-me com um movimento super efetivo e uma estratégia bem colocada. Caso eu não tivesse pensado bem no que fazer... Bem, eu poderia estar em apuros. Pensei se talvez não fosse uma boa ideia ir atrás de mais movimentos para Snivy, para que ela pudesse também surpreender os seus adversários...

Meia hora depois, levantei-me, joguei meu lixo na lixeira e saí do refeitório. Aproximei-me do balcão e pedi à gentil enfermeira a minha Snivy. Com um sorriso ela me entregou a Pokéball, dizendo:

- Ela estava em boas condições. Mas parecia ter sido atingida por um movimento potente. Tome mais cuidado na próxima batalha, jovem. Não é bom tomar dano assim.

- Lembrarei disso, certamente. - respondi. - Muito obrigado. - e virei de costas e saí do edifício.

Novamente nas ruas de Accumula Town observei ao redor em busca do que fazer. O meu smartphone marcava meio dia. Eu ainda poderia me divertir um pouco ali antes de seguir viagem até Striaton City. A Praça da Cidade ainda parecia preenchida com alguma espécie de movimentação estranha. Poderia ser algo que valesse a pena investigar. Quem sabe? Liberei Snivy de sua Pokéball e a pequenina se materializou aos meus pés. Estando curada, sua expressão voltou ao confiante de nariz em pé habitual.

- Ei, parceira. - disse eu, me agachando ao seu lado. Ela me observou sem muito interesse. - Que tal darmos uma passada na praça ali? Pode ter alguma coisa interessante.

Ela deu de ombros, sem se importar. Resolvi sozinho então. Disse para ela me seguir e rumei naquela direção, ansioso para descobrir o que me aguardava lá.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Lady McCartney em Qui 26 Jun 2014, 19:41

Após sair do Centro Pokémon com sua snivy totalmente curada, Connor decide se distrair um pouco pela cidade de Accumula, levando sua pokémon à praça, pensando no que poderiam fazer por lá. Os dois se sentaram num banco e se puseram a observar o movimento. Não demorou para que Connor notasse uma pequena garota vindo em sua direção. Não parecia ter mais do que dez anos. E chamava pelo treinador:
— Moço, moço — ela chamava enquanto corria para o banco onde o garoto estava sentado.
Antes que Connor pelo menos processasse a situação, ela se antecipou:
— Você tem um pokémon, não tem?
O garoto olhou para Snivy, e confirmou:
— Tenho sim, por que?
— É que eu também tenho, e nós estamos treinando, estava procurando alguém para batalhar comigo, você batalharia?


Aprendiz de Treinadora Mandy

Nidoran ♂
Level: 15 (Ability: Poison Point)
avatar
Lady McCartney
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 43
Data de inscrição : 17/06/2014

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1000

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Sex 27 Jun 2014, 19:34

Aparentemente, aquela comoção que eu havia visto mais cedo na praça havia sido apenas uma batalha Pokémon entre treinadores. Um deles havia perdido e corrido até o Centro Pokémon (de onde eu acabara de vir) a fim de curar o seu monstrinho. Eu, entretanto, fui sentar-me no banco da praça a fim de observar o movimento e avaliar se havia qualquer coisa a ser feita. Vi crianças correndo para todos os lados, algumas acompanhadas de Pokémon, assim como alguns casais mais velhos apenas aproveitando um passeio pela natureza. Era algo bastante bonito. Algo que não havia em Castelia City. E, enquanto eu pensava nisso, a garota apareceu. E me propôs a batalha Pokémon.

Virei-me para ela. Aparentava 10 anos de idade e não era muito alta. Cabelos longos e ondulados castanhos, olhos bastante esverdeados. Vestia um vestido cinzento com uma blusa amarela por cima, meias longas brancas e uma sapatilha marrom. Era uma típica garotinha. Porém, ela parecia ter um brilho de experiência no olhar. Talvez ela pudesse ser uma adversária forte. "Relaxa, Connor", pensei a mim mesmo. "Uma pirralha dessas? O quão boa ela pode ser?".

Com um ar mais confiante, eu falei:

- Bem, eu acho que seria bem legal batalhar com você, é... - eu parei, pois ainda não havia perguntado seu nome. Felizmente, ela resolveu esse problema.

- Eu sou Mandy, moço. Aprendiz de Treinadora.

- Muito bem, Mandy. Me chamo Connor Munhoz. E você tem um Pokémon aí contra quem eu possa batalhar?

Ela apenas sorriu e levantou-se. Deu alguns passos para trás, alcançou uma Pokéball no único bolso de seu vestido e arremessou-a ao ar. Reluzente, a esfera bicolor abriu-se ao meio e emitiu um raio de coloração azul, que atingiu o solo entre nós e rapidamente assumiu a forma de um Pokémon. Parecia um roedor roxo de orelhas grandes e portador de muitos espinhos. Um chifre ameaçador se posicionava entre os olhos intimidadores. Ele observava a mim com um olhar de desafio. E percebi que nunca havia visto aquele Pokémon antes, o que significava que era uma espécie rara no continente de Unova.

Saquei a minha Pokédex azul escura, ao mesmo tempo que Snivy já se encaminhava para o nosso campo de batalha improvisado. Estávamos juntos há cerca de duas horas e ela já me entendia perfeitamente: sabia que eu não recusaria aquele conflito. Meu aparelho azul escuro apitou ao terminar de escanear o oponente e alertou:


Pokédex - Nidoran♂:

Nidoran♂
Tipo: Poison
Habilidade: Poison Point
Nidoran♂ levanta as suas grandes orelhas para checar os seus arredores. O seu chifre venenoso é usado para proteção.


"Para proteção", eu pensei no que o aparelho havia dito. "Ou para atacar um Pokémon desafiante". Ainda assim, me mantive confiante. Aguardei que Mandy e Nidoran tomassem os seus lugares apropriados na arena e acenei para eles. Snivy já estava pronta.

- Vamos começar.






- Certo, Snivy, vamos atacar com Tackle!
- Salte e use o Double Kick! - ela comandou calmamente. Isso me deu algo com o que me preocupar.
Snivy, entretanto, parecia mais confiante. Sem pensar, iniciou o seu ataque frontal, ganhando velocidade e correndo até o Pokémon adversário a fim de atingi-lo com o seu corpo. Sua investida foi, porém, sem sucesso. Nidoran aguardou a sua chegada calmamente e, quando ocorreu, usou suas poderosas pernas para impulsioná-lo no ar. Desnorteado pela velocidade surpreendente do oponente, a serpente de grama nada pode fazer além de atacar o vazio e aguardar a surpresa vinda por cima. Ainda no ar, Nidoran estendeu suas patas traseiras e usou-as para desferir dois poderosos chutes nas costas de minha Pokémon, lançando-a de cara ao chão e fazendo-a comer terra.

- Levante-se, Snivy! - comandei, aumentando o tom de voz. Talvez eu estivesse ficando desesperado. - Use um Leer!
- Nidoran, agora use um Focus Energy.
Tendo ouvido as ordens de sua treinadora, o Pokémon venenoso recuou e iniciou o processo no qual o seu corpo assumia um brilho branco e emitia algumas pequenas fagulhas. Snivy, por outro lado, estava tendo dificuldade em se levantar, tanto devido à dor física do movimento anterior de seu adversário como a dor emocional de ter sido atingida daquela maneira. Portanto, quando finalmente se pôs de pé, Nidoran já havia acabado o seu movimento e estava apenas aguardando, com uma cara curiosa. A serpente concentrou toda a sua ira e decepção em um olhar assustador que gerou uma luz vermelha em seus globos oculares. O terror se instaurou no Pokémon espinhoso e resultou na queda de sua Defesa em um estágio. Sorri. Agora teríamos a vantagem em um confronto físico.

- Isso! Agora vamos de Tackle. - disse eu. Mas Mandy tinha outro planos. Algo que complicaria muito a minha vida.
Snivy, agora já voltando à sua face confiante, tornou a correr na direção de seu adversário. Suas perninhas utilizavam de toda a graça e elegância natural da serpente de grama e, em pouco tempo, ela já havia alcançado o seu adversário. Mas antes que pudesse atingir o seu movimento, a minha adversária fez seu golpe:
- Use o Poison Sting!
O chifre frontal de Nidoran assumiu um tom roxo e, eu sabia, estava se enchendo de veneno. No último instante, o roedor se jogou na direção de sua adversária, apunhalando-a na barriga com seu chifre ao mesmo tempo em que era atingido pelo ataque corporal maciço da Pokémon de grama. Ambos foram arremessados para trás e machucados pelo golpe adversário. Porém, Snivy parecia ter levado a pior. Suas pernas cambaleavam levemente e Mandy se apressou em explicar com um ar de superioridade:

- Eu havia usado o Focus Energy anteriormente, correto? Bem, o efeito dele foi aumentar as minhas chances de um ataque crítico. E isso acabou de acontecer. O seu Snivy acabou de receber todo o dano super efetivo mais o ataque crítico. Eu acho que essa batalha é minha. - ela sorriu - Vamos, use o Peck!
Eu não tive como reagir. Toda aquela informação pesava na minha cabeça e me dizia tudo aquilo que eu não queria ouvir. Eu era um mal Treinador? Quer dizer, eu deveria ter sabido os efeitos do movimento antes, não? Eu deveria ter sido capaz de montar uma estratégia para defender-me daquilo e sair por cima. Agora, eu via minha Pokémon quase derrotada no campo com o Nidoran se aproximando rapidamente, o seu chifre brilhando na cor branca dessa vez. Eu não sabia nem ao certo se eu queria revidar. Talvez fosse melhor aceitar a batalha perdida.
Snivy, entretanto, parecia não pensar assim. Seu semblante ainda era de dor, mas era possível notar que ela ainda não havia desistido. Preparou-se bem e, agindo por conta própria, utilizou-se de sua impressionante velocidade para saltar para o lado no último instante e deixar o seu adversário passar reto, atingindo nada. A seguir a serpente virou-se e estreou um movimento do qual eu ainda não tinha conhecimento. De sua gola de folhas amarelas ela estendeu duas vinhas esverdeadas que avançaram como raios até Nidoran. Estas o chicotearam pelas costas e o lançaram voando para o outro lado do campo, aproveitando a velocidade que ele já possuía por estar usando um movimento para gerar ainda mais força. O Pokémon deu algumas cambalhotas na grama antes de parar, um tanto atordoado.

Eu sorri imediatamente:
- Isso foi um Vine Whip, Snivy. Muito bem!

Mandy pareceu se retesar. Ela estava começando a se preocupar que, talvez, ela não tivesse mais o controle da batalha. E tentou recuperá-lo:
- Vamos, Nidoran! Use o Poison Sting!
O seu Pokémon ouviu a ordem e, com alguma dificuldade, se levantou. Suas narinas bufavam de fúria e o seu chifre tomou novamente a coloração arroxeada. Com velocidade e ímpeto impressionantes, ele se lançou para a frente dando grandes passadas, fechando cada vez mais a distância entre ele e a sua oponente e preparando-se para dar-lhe um golpe super efetivo e com altas chances de causar dano crítico. Eu, porém, não iria mais deixar:
- Vine Whip.
E com destreza e habilidade impressionantes, Snivy estendeu os seus chicotes de vinha até o oponente, mirando em suas pernas agora. Ela as atingiu com força e causou-lhe dano e dor suficientes para fazê-lo cair, novamente aproveitando-se da velocidade que ele já ganhara. Nidoran tombou e rolou no campo, apenas parando quando se chocou com um banco de praça próximo.

- Use Leer agora, Snivy. E depois um Tackle.
- Levante-se! Use um Double-Kick! Depressa! - Mandy esperneou.
Nidoran, entretanto, custou a se levantar. Suas pernas fraquejaram pela dor da pancada e era possível ver que ele estava bastante atordoado. Isso deu a Snivy tempo suficiente de encará-lo com fúria e intimidação, causando-lhe uma nova onda temporária de medo. Sua Defesa foi reduzida em mais um estágio e ele agora se encontrava ainda mais vulnerável aos nossos ataques. Nesse momento em que ele finalmente se levantou, Snivy já estava iniciando a sua próxima investida. Lançou-se em um ataque corporal, cobrindo rapidamente a distância que separava os dois adversários. Nidoran, ainda assim, foi capaz de iniciar o seu próprio movimento. Esticou as pernas e apenas aguardou para que Snivy se aproximasse. E ela o fez. Chocou-se contra ele com enorme força e velocidade, ao mesmo tempo em que ele lhe desferia dois chutes certeiros no abdômen. Ambos os Pokémons foram arremessados para trás, rolando em cima da grama e levantando nuvens de poeira e sujeira. Quando pararam, ambos estavam no chão. Observei-os na expectativa.

- Vamos, Snivy! - disse eu, me aproximando. Estava nervoso, apavorado com a possibilidade de ter perdido a batalha. No entanto, minha serpente não decepcionou. Eu a vi se levantar calmamente, a expressão mostrando dor e alegria ao mesmo tempo. Estendeu as vinhas de seu cangote e usou-as para bater a poeira de seu corpo. E se virou para mim de nariz erguido. Era sua maneira de dizer que eu não precisava me preocupar. Que ela aguentava o combate.

- Eu sei que sim, companheira. - sorri para ela e voltei minha visão para o outro lado do campo. Lá, Nidoran não havia tido a mesma resistência que Snivy. A redução em sua Defesa e a força superior do ataque da serpente haviam o sobrepujado e o nocauteado. Isso, efetivamente, nos garantia a vitória! A segunda de nossa jornada.


- Você lutou muito bem, Mandy. - elogiei-a, quando me aproximei. Já havíamos ambos recolhido e devidamente tratado nossos Pokémons no Centro e conversado a respeito de nossas falhas e sucessos na batalha. Mas eu ainda não havia expressado a minha admiração pela maneira como ela controlou a luta pela primeira metade. E eu o fazia agora, na saída oeste da cidade. - Vai se tornar uma grande Treinadora um dia.

- Muito obrigada. - ela respondeu, sorrindo. - Você também foi ótimo. Conseguiu me enganar direitinho. Por um momento eu achei mesmo que você tivesse perdido o controle da luta.

Estaquei. Ela achava que eu tinha falsificado minha preocupação? Ela achou que eu já sabia que ganharia desde o início? Eu poderia mantê-la pensando nisso, é claro. Mas optei pela verdade:
- Na verdade, Mandy, você achou certo. Eu estava realmente com medo de perder ali. Você foi surpreendente.

Ela riu e estufou o peito.
- Ah, certo. Isso é bem encorajador. Espero que nos vejamos novamente algum dia. Para que eu possa chutar seu traseiro.
- Certamente. Veremos quem chuta o traseiro de quem. E a propósito, a Snivy é uma fêmea.
- Me lembrarei disso! Adeus, Connor Munhoz. Que nossos caminhos se cruzem novamente.
- Pode apostar. - respondi, já me virando na direção oposta. - Até mais, Mandy!

E, com isso, segui o meu próprio caminho. Com mais uma vitória sob meu cinto, eu agora estava preparando-me para um desafio maior. Striaton City possuía um líder de Ginásio e eu estava determinado a derrotá-lo. Para chegar lá, porém, eu ainda tinha que atravessar a Rota 02 e, com sorte, encontrar alguma batalha que servisse de aperitivo antes da refeição principal.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Naoshi em Sex 27 Jun 2014, 20:14

UAU! Parabéns! +4 leveis

O coração e os nervos se acalmam. Connor e Snivy acabaram de ter uma difícil batalha, mas não pararam, seguiram em frente em busca de mais desafios pois queriam obter maior experiência com o objetivo de vencer o líder de ginásio de Striaton City.

Munhoz acabara de chegar na route 2, com sede de batalha. Atento, analisava os mínimos detalhes para achar um pokémon, mas quando menos esperava, alguém já havia lhe achado. Com um sorriso malicioso, olhos perversos, o felino Purrloin roçava em suas pernas, miando, implorando para que o treinador colocasse seu pokémon para lutar. Quando percebeu que Connor havia lhe percebido, tomou distância por regalia, mostrando suas afiadas garras.


Purrloin
Level 05 (Ability: Limber)
Batalhar? | Fugir? | Capturar?
avatar
Naoshi
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 13
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 17

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $650

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Sab 28 Jun 2014, 11:41

Naquele momento, o meu smartphone marcava 2 horas e 45 minutos. O Sol ainda estava alto no céu e ficaria por mais algum tempo, considerando o verão. As noites eram mais curtas e demoravam mais a cair, o que significava que eu teria Sol por mais tempo em meu caminho para Striaton City. E, ao que parecia, eu iria ter mais um contratempo bem vindo. Quando observei a Pokémon gatinha esfregando-se em minha perna, dei um sorriso. Ela era bonitinha e elegante. Ela levantou seus grandes olhos para mim, que demonstravam confiança e inteligência. Eu a observei e, como se entendendo minhas intenções, ela deu alguns passos para trás e mostrou as garras afiadas. Poderiam ser perigosas. Veio-me então o pensamento de saber mais sobre aquela Pokémon.

A Pokédex azul apitou alguns segundos depois de eu tê-la agarrado e, ao completar o escaneamento da minha adversária, revelou as suas informações básicas:


Pokédex - Purrloin:

Purrloin
Tipo: Dark
Habilidade: Limber
Purrloin costumam roubar das pessoas por diversão, mas suas vítimas não podem evitar perdoá-los. A sua atuação de fofura é perfeito. Eles atacam com suas garras afiadas.


- Muito bem. - disse eu. - Você parece querer uma batalha, não é?

A Purrloin acenou positivamente com a cabeça, ainda em posição de ataque. Mas ela aguardava o meu movimento.
- Purrrrr.

- Okay! Vamos lá, Snivy. - disse eu, alcançando a Pokéball no bolso de minha jeans e abrindo-a com um aperto no botão central. A luz azulada surgiu de seu interior e solidificou a minha bela Pokémon de grama logo à minha frente, a postura ereta e o nariz empinado. Os olhos estavam fixos em sua oponente, no entanto. Estávamos determinados a não subestimá-la.







Gastei alguns segundos observando a minha oponente. Purrloin manteve-se parada, apenas aguardando o meu movimento. Então decidi dar isso a ela:
- Use o Leer.
Desta vez eu decidi jogar mais na defensiva e tentar um bom contra ataque. E foi o que Snivy fez. Seus olhos assumiram um tom brilhante avermelhado e sua face se contorceu em uma expressão assustadora. Purrloin, ao ver aquilo, ficou horrorizada e fraquejou em suas perninhas. Sua Defesa, como resultado, foi reduzida em um estágio, o que nos dava uma vantagem em confrontos físicos. Algo que foi a tentativa de nossa adversária. Partindo para o ataque, ela avançou até a minha Pokémon com alguns saltos rápidos e precisos, até se aproximar o suficiente para atingi-la com um arranhão de suas garras afiadíssimas, agora à mostra. Aquele Scratch havia sido certeiro e causara danos perigosos à minha Pokémon.

- Certo. - continuei - Vá com o Vine Whip agora!
Snivy aguardou antes de obedecer o meu comando e por uma boa razão. Purrloin, animada por ter atingido um golpe, optou por utilizar a mesma tática do Scratch. Esticou novamente suas unhas assustadoras e saltou até Snivy, com a intenção de atingi-la rapidamente devido à proximidade em que estavam. Porém, a sua velocidade não era comparável à da serpente de grama. Ela saltou graciosamente para o alto em sua estratégia de assinatura e deixou com que a gata da escuridão passasse inofensivamente por baixo de si. Quando pousou, Snivy estendeu as vinhas de seu colarinho e as usou para atingir Purrloin pelas costas, chicoteando-a com força impressionante e arremessando-a na direção de um tronco caído por perto. A adversária ficou lá, caída, suas pernas fracas se esforçando para levantar-se.

- Agora utilize um Tackle! - gritei eu, já me emocionando com o decorrer da batalha.
E minha Pokémon também parecia estar sentindo o mesmo. Com um sorriso cruel, tomou impulso e lançou-se em uma corrida veloz na direção de sua oponente. Purrloin ainda fraquejava para se levantar e não viu a sua adversária até tarde demais. A serpente fechou a distância entre elas em muito pouco tempo e lançou-se em uma investida corporal contra a adversária, machucando-a e prensando-a contra o tronco caído com tamanha força que o fez rolar alguns centímetros para o lado. Purrloin soltou um miado agudo de dor e caiu novamente, balançando a cabeça. Snivy recuou alguns passos e, sem exatamente muito ânimo para mais um ataque físico, a gata cometeu um erro grave. Abriu sua boquinha e emitiu um rugido alto e assustador, que tinha como objetivo reduzir o Ataque de minha Pokémon. O efeito, entretanto, acabou sendo o contrário, graças à habilidade Contrary da serpente. O Growl, ao invés de lhe causar medo, deu-a mais confiança na batalha e aumentou o seu Ataque em um estágio.

Observar aquilo irritou Purrloin extremamente. Já de pé, ela utilizou as suas forças para lançar-se mais uma vez com um salto em direção à minha Pokémon. Porém, a dor a fazia estar desajeitada e devagar. Com facilidade Snivy caminhou para o lado e deixou com que Purrloin arranhasse (Scratch) o ar sem machucar ninguém. Então, agora mais brincando com a sua adversária do que qualquer outra coisa, a serpente estendeu novamente os seus chicotes de vinha (Vine Whip) e usou-os dessa vez não para bater, mas para agarrar a Pokémon adversária, levantá-la no ar e arremessá-la contra o tronco caído. O som do impacto foi alto e reverberou por entre as árvores, impulsionando a fuga de um bando de Pidoves por perto. O grito de dor de Purrloin, porém, foi ainda mais ensurdecedor. Eu queria terminar aquilo logo.

- Vamos tentar o seu novo movimento, Snivy. - disse eu. - Wrap!
Com agilidade e precisão a serpente rastejou até a adversária e usou o seu corpo esguio para enrolá-la e, a seguir, espremê-la. Purrloin já não estava mais capaz de realizar um ataque devido à dor extrema que suportava, mas ainda assim, utilizava suas forças para não cair. Seus dentes estavam cerrados e suas expressão congelada em dor e determinação. Seria algo bem bonito de se ver, se não fosse triste. Eu odiava fazer com que ela passasse por toda aquela dor, apesar de não ter escolha. Minha Pokémon continuou a apertá-la intensamente ao final do turno, espremendo-a completamente. No entanto, Purrloin se recusava a cair. Dei a ordem:

- Finalize-a.
Com um suspiro pesado, Snivy desvencilhou-se da oponente. Por um segundo, a gata pensou que talvez tivéssemos desistido e estávamos deixando-a ir. Eu, porém, desejava aquela vitória. Minha serpente recuou e subiu para o alto do tronco caído. De lá de cima, ela saltou na direção de Purrloin com uma cambalhota aérea, rodando no ar. Sua cauda assumiu um brilho prateado metálico e a dureza de uma placa de titânio. Com um baque surdo, ela atingiu a Pokémon oponente com o movimento, lançando-a para longe e na direção de um montinho de terra, onde ela aterrissou suavemente e permaneceu caída. Corri até Snivy, espantado.

- Aquilo foi um Iron Tail (EggMove)! - disse eu - Eu nem sabia que você aprendia aquilo!

A Pokémon empinou o nariz, em uma expressão que claramente dizia que ela era uma caixinha de surpresas. Sorri. Era bom ter uma companheira assim. Significaria que as batalhas nunca ficariam chatas. Porém, decidi me concentrar nos assuntos urgentes. Virei-me na direção de Purrloin e caminhei até lá. Como o esperado, ela não havia resistido àquele ataque de força destrutiva e estava derrubada, os olhos fechados. O nocaute era claro e a nossa vitória verdadeira.

 - Muito bem, Snivy. - disse eu, sorrindo para ela. Então agachei-me e segurei Purrloin no colo. Passei água em seus ferimentos e apliquei algumas bandagens. Coloquei-a em um arbusto próximo, bem escondida da vista de todos, para que pudesse acordar e se recuperar em poucas horas e estar bem de novo. Porém, ela ficaria sem batalhar por algum tempo.

Me dirigi a seguir para um bando que havia visto em um dos lados da estrada. Sentei-me nele, a fim de descansar da animada batalha que havia acontecido. Havia sido uma vitória fácil, certamente. Mas eu esperava assim. Afinal, minha Snivy tinha mais que o dobro da experiência da gata da escuridão. Apesar de sermos apenas Treinador e Pokémon iniciantes, já possuíamos algumas vitórias e batalhas sob o nosso cinto. Sorri para a minha Pokémon, sentada ao meu lado:

- Sabe, Snivy. Acho que estamos nos dando muito bem juntos. Ganhamos algumas batalhas, tivemos algumas experiências. Fico feliz que eu tenha feito a decisão acertada naquele Laboratório.

Ela não respondeu. Apenas me observou com aqueles olhos inteligentes.

- E sabe o que eu estava pensando? Quer dizer, você é um Pokémon especial. Não é justo que eu tenha que te chamar pelo seu nome genérico de espécie. Então que tal eu te dar um nome?

Ela esperou.

- Certo, certo. Eu estava pensando em alguma coisa... Legal, entende? Que metesse medo nos adversários e que ainda demonstrasse a sua elegância, confiança e inteligência. E o quão perigosa você é. Então eu pensei... O que você acha de Lierre?

Snivy me observou. E, pela primeira vez desde que eu a pegara, ela sorriu. Um sorriso de verdade, demonstrando que estava feliz. Eu supus que ela gostou do nome.
- Sniii. - ela grunhiu.

- Certo! - exclamei, sorrindo também. - Você será agora Lierre! A melhor Pokémon de grama que tem por aí. Em breve, a melhor Pokémon que tem por aí. E provaremos isso para o mundo, Lierre. Você vai ver.

- Sniii. - ela concordou, retomando a sua postura de elegância e confiança. E optamos por permanecer sentados naquele banco da Rota 02, observando o movimento da estrada de terra e das planícies e florestas próximas. Queríamos encontrar alguma coisa que nos fornecesse treinamento antes de enfrentarmos o Ginásio de Striaton City.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Lady McCartney em Sab 28 Jun 2014, 16:07

+5 levels pelo incrível treinamento.
Após outra balhata vitoriosa, e uma enorme aproximação entre treinador e pokémon, a dupla resolveu permanecer por mais tempo na rota, indo cada vez mais a fundo em seu treinamento.
Ou Connor estava realmente empolgado, ou estava realmente desesperado para mais uma batalha, pois no instante que viu um pequeno pokémon castor saltar do meio das folhagens para a parte aberta da rota, o menino e sua pokémon já se atentaram para uma possível batalha com o pokémon, que demonstrou uma reação positiva, encarando Lierre com olhos desafiadores, já descartando a possibilidade de fugir.


Patrat
Level 07 (Ability: Run Away)
Batalhar? | Fugir? | Capturar?
avatar
Lady McCartney
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 43
Data de inscrição : 17/06/2014

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1000

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Dom 29 Jun 2014, 17:21

Eu avistei um possível desafiante apenas às 3 horas da tarde. A Rota 02 de Unova era uma estreita, mas extensa planície cercada por densas florestas de coníferas por todos os lados. A estrada de terra em seu meio serpenteava entre pequenas colinas e algumas áreas de vegetação rasteira entre Accumula Town e Striaton City. Por ser uma área repleta de Pokémon, muitos treinadores paravam nela para fortalecer os seus próprios monstrinhos antes de enfrentar o poderoso primeiro Ginásio da Liga Unova. A maioria dessas criaturinhas selvagens vivia e morava nessas áreas de vegetação baixa, onde a comida e o abrigo eram abundantes o suficiente, mas o perigo não era tão grande quanto as escuras e desconhecidas áreas florestadas.

E foi no meio dessas folhagens que eu avistei um adversário em potencial. Sentado no banco ao lado de Lierre, eu avistei um arbusto se mexendo levemente. Foquei nele e logo notei a presença de um pequeno roedor mastigando uma fruta, alheio a tudo ao seu redor. Seus dentes, entretanto, roíam com velocidade e demorou apenas um minuto para que ele terminasse o alimento com metade do seu tamanho. Então ele imediatamente se colocou em uma postura ereta e começou a observar os arredores com seus olhos perspicazes. Porém, além de mim, a região ao nosso redor estava deserta.

Curioso, saquei a minha Pokédex. Queria conhecer mais sobre aquele Pokémon observador. E talvez decidir se ele seria um oponente interessante. Apontei o aparelho em sua direção e aguardei o apito que sinalizava que o scan havia sido concluído. Ele ocorreu rapidamente:


Pokédex - Patrat:

Patrat
Tipo: Normal
Habilidade: Run Away
Usando comida guardada em suas bochechas, Patrat pode se manter de guarda por dias. Eles suam suas caudas para se comunicar com outros. Eles se sentem inseguros sem um vigia.


Então aquela criatura era, naturalmente, um guarda. Sua natureza lhe impulsionava a ficar observando os arredores, a procura de qualquer ameaça. Será que eu era considerado uma ameaça para ele? De qualquer forma, eu achei que ele seria um bom adversário para um treinamento amistoso.

- O que você acha, Lierre? - perguntei, apontando para o roedor. - Vamos lá desafiá-lo?

A Pokémon deu de ombros. Eu assumi que eu devia fazer então. Afinal, eu duvidava muito que minha Snivy fosse recusar um desafio. Além de sua inteligência, calma e confiança, sua característica mais marcante era a necessidade de se mostrar constantemente superior aos seus adversários. Portanto, levantei-me do banco e ela me seguiu. Ambos caminhamos até Patrat, que assumiu uma posição alerta.

- Olá. - disse eu, me agachando ao seu lado. Ele recuou rapidamente alguns passos. Levantei as mãos para lhe mostrar que não pretendia fazer mal. - Está tudo bem, parceiro. Eu sou Connor e essa é Lierre. E nós queremos saber se você estaria afim de uma batalha. Você sabe, apenas pra treinar e tal?

Ele não respondeu. Seus dentes, entretanto, estavam cerrados e a sua postura inteira nos alertava de que ele se sentia ameaçado. "Muito bem", pensei. "Acho que vamos conseguir uma batalha por mal". Não que eu gostasse disso. Mas quando um Pokémon acha que está tento o seu território invadido, ele quase sempre irá atacar. E foi o quer aconteceu.

Sem aviso, ele mostrou as presas afiadas e lançou-se com um salto na direção do alvo mais próximo, que acabava sendo eu. O seu Bite era um ataque perigoso que certamente poderia me colocar num hospital. Porém, eu tinha sorte de ter uma Pokémon com um ótimo tempo de reação e uma desconfiança natural. Quando as mandíbulas potentes do roedor estavam próximas de se fechar em meu braço, duas vinhas surgiram do colarinho de Snivy e se estenderam com velocidade impressionante, atuando como chicotes e acertando o lado do corpo de Patrat. O Vine Whip muito bem vindo da serpente arremessou o Pokémon Normal para longe e de encontro a algumas folhagens mais densas. Assustado, recuei um pouco e deixei Lierre assumir a frente de batalha.

- Uau, obrigado por me salvar, parceira. - agradeci. - Vamos agora ensinar pra esse cara alguns bons modos!







Patrat levou algum tempo para se levantar e recuperar-se do ataque recebido. Isso nos deu tempo suficiente para nos posicionarmos adequadamente e para mim ordenar um movimento que não obrigasse minha Pokémon a se aproximar demais. Eu queria, primeiramente, testar a velocidade e força de nosso adversário.

- Use o Vine Whip.
Repetindo a sua ação anterior, a serpente liberou as duas vinhas verdes de seu colarinho amarelo. Como Patrat ainda estava tentando processar a reação rápida de minha Pokémon, não notou quando as plantas se aproximaram velozmente e atingiram-lhe com um estalo no rosto e nas pernas, lançando-o ao chão novamente. O Pokémon ficou irritado. Seus olhos se semicerraram e ele virou-se em nossa direção, dessa vez observando Snivy furiosamente. Com um grunhido de guerra, ele se lançou em uma poderosa investida que já era minha conhecida, o Tackle. Seu plano era se aproximar em uma corrida em grande velocidade e lançar seu corpo contra Lierre. Ela, porém, utilizou-se de sua velocidade e graça pra saltar habilmente para os lados e fazer uma pirueta no ar, pousando suavemente e deixando o seu oponente passar sem atingir qualquer alvo útil. Sua fúria apenas aumentava, enquanto Snivy ficava cada vez mais fria e confiante.

- Certo, agora vamos usar um Leer.
Snivy subitamente alterou sua face de frieza e calma para uma mais aterrorizante e intimidadora. Seus olhos brilharam em vermelho e sua aparência amedrontava tanto que, quando Patrat se virou para ela, ele recuou. Seus próprios olhos se arregalaram e sua Defesa foi reduzida em um nível, o que faria com que nossos ataques físicos causassem um pouco mais de dano. Com o fim do movimento, o adversário retornou à sua fúria anterior e decidiu que o ataque era a melhor estratégia. Dessa vez ele novamente arreganhou os afiados dentes e saltou para cima de Snivy, aproveitando-se da proximidade de ambos os Pokémons para não dar tempo à serpente de fugir. Seus poderosos dentes fincaram-se com força na perna direita de minha Pokémon e, com dor, ela soltou um agonizante grito. Patrat deve ter ficado feliz com aquilo, uma vez que manteve-se fortemente agarrado à ela por meio de sua mordida (Bite).

- Tire esse rato daí! - gritei, irritado. - Gire e use o Iron Tail (Egg Move)!
Lierre continuava com a face travada em uma expressão de dor. Seus dentinhos estavam cerrados enquanto balançava sua perna freneticamente para soltar seu adversário. Porém, assim que ouviu meu comando, ela se acalmou. Sua cauda imediatamente assumiu um brilho prateado metálico e ela a girou, aproveitando de sua longa extensão para atingir com força a lateral do crânio de Patrat, causando um ruído metálico e enviando-o voando sob a força do poderosíssimo movimento contra a vegetação próxima. Furiosa com o seu adversário, ela optou por utilizar um movimento sem o meu consentimento. Enquanto o roedor ainda estava no ar, ela se lançou em uma própria veloz investida em sua direção, cobrindo a distância entre eles e chocando seu corpo contra a barriga do Pokémon Normal, que foi então lançado para ainda mais longe, de encontro ao tronco de uma árvore. Aquele Tackle somado ao movimento anterior haviam causado danos consideráveis ao oponente, que agora ralava para se levantar. Dessa forma, ele optou por utilizar um movimento de status. Seus olhos assumiram a mesma coloração vermelha brilhante (Leer) que os de Snivy há alguns segundos. Sua face se tornou realmente assustadora, o que afetou a minha Pokémon. Porém, a sua habilidade Contrary entrou em efeito. Ao invés de ter a sua Defesa reduzida, ela foi aumentada em um estágio. Com isso, nós tornávamos efetivamente mais resistentes aos seus ataques.

- Pode finalizá-lo agora, Lierre. - falei, animado, e relaxei. Eu havia agora posto a batalha nas mãos de minha Pokémon, o que significava que ela iria se divertir um pouco.
Ela aguardou fria e pacientemente que seu adversário se levantasse e, quando o fez, ela piscou para ele de forma provocante. Irado, Patrat parou de pensar. Lançou-se correndo em um ataque físico (Tackle), completamente a fim de atingi-la com seu corpo com potência máxima. Snivy, porém, não deixou acontecer. Já brincando com ele, ela simplesmente utilizou seu Vine Whip e estendeu suas vinhas verdes, chicoteando-o nas pernas. Ele tropeçou e caiu rolando, cobrindo vários metros até parar sentado na frente de minha Pokémon. Com um sorriso cruel, Lierre terminou a batalha. Esticou todo o seu corpo esguio e se enrolou vorazmente ao redor de nosso adversário. O seu Wrap o espremeu dolorosamente, fazendo seus olhos se arregalarem e sua boca se abrir em busca de ar. Era algo penoso de se ver, mas não havia nada que eu pudesse fazer. Snivy queria mostrar que mandava naquele território. Por fim, Patrat não foi tão forte quanto Purrloin havia sido há alguns minutos. Ele sucumbiu à pressão do aperto da serpente e caiu. Sua face foi de encontro à terra fofa e seus olhos se fecharam. Estava nocauteado!


Me aproximei de ambos os Pokémons. Snivy lentamente se desvencilhou dele e se aproximou de mim. Sua expressão demonstrava um sorriso pequeno. Agachei-me ao lado dela e disse:
- Não precisava ter sido tão cruel.

Ela apenas me observou com o olhar vazio. Depois deu de ombros.
- Snii.

- Eu sei que ele, no começo, me atacou. Mas ainda assim, não precisamos fazer ele passar por toda essa dor.

Ela não respondeu. Imaginei que não me escutaria muito mais do que aquilo. Agradeci-a e a parabenizei pela excelente vitória e retornei-a para a Pokéball. Então repeti com Patrat os mesmos cuidados médicos que havia feito com Purrloin. Em algum tempo ele acordaria novamente e estaria livre para continuar a sua vigia pela Rota. Eu, por outro lado, tinha planos diferentes. Senti que estava bastante pronto e havia tido uma quantidade razoável de treinamento. Saquei minha Pokédex e usei o seu GPS para me localizar. Constatei que se seguisse a estrada para o Norte chegaria ao meu destino.

- Muito bem. - falei sozinho. - Próxima parada: Striaton City.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Naoshi em Dom 29 Jun 2014, 17:56

Uau! Parabéns pela maravilhosa batalha, sua Snivy recebeu +4 leveis!

Utilizando a GPS da Pokédex, Munhoz caminhou em direção a Striaton City. Ao chegar, viu uma pequena plaquinha ao lado, que o ajudaria a saber os lugares da cidade:



Striaton City


A academia Pokémon, uma escola onde os alunos e instrutores podem saber mais sobre Pokémon. A maioria dos treinadores que começaram visitam pelo menos uma delas. Há os treinadores comuns que estudam extensivamente nestes locais que são crianças da escola e cientistas.


O Ginásio Striaton é o Ginásio oficial de Striaton City. Os Líderes de Ginásio são Chile, Cress e Cilan


O restaurante de Striaton tem como garçons os três líderes do ginásio. Sendo assim, o restaurante é emendado com o ginásio.

avatar
Naoshi
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 13
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 17

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $650

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Sab 05 Jul 2014, 13:07

Eu havia finalmente entrado em Striaton City, e com algum tempo sobrando ainda. Olhei na função relógio de meu smartphone e notei que ainda eram 5 horas da tarde. Sorri, sabendo que ainda poderia fazer algumas coisas na cidade antes de finalmente ir ao Centro Pokémon e precisar dormir. Ao observar ao redor, constatei que aquele povoamento realmente era um pouco mais de uma cidade do que as vilas que eu havia passado até então. Havia prédios de apartamentos mais altos que cercavam a cidade, cujas fronteiras eram delimitadas por uma densa camada de árvores. As ruas eram propriamente asfaltadas e os seus padrões coerentes levavam à uma variedade maior de pontos de interesse. Avistei o Pokémon Centre e o PokéMart, além de um alto restaurante de arquitetura antiga e um prédio de vários andares que possuía uma placa na qual se lia: "Academia Pokémon". Aquele seria, certamente, um lugar que eu visitaria depois.

Eu havia lido há algum tempo sobre os Ginásios de Unova e aprendido que muitos deles possuíam uma segunda função além de serem Ginásios. O de Castelia City, por exemplo, que era o que eu estava mais acostumado a ver, era também uma galeria de arte. O de Striaton era o restaurante que se erguia majestosamente em contraste com os prédios menores que o circulavam.

- Olhe o lado bom, Lierre. - disse eu, brincando. - Depois da batalha contra o líder vamos poder apreciar um bom jantar.

- Sniii. - a Pokémon respondeu, dando de ombros.

Os meus planos para aquele momento, no entanto, eram diferentes a ir ao Ginásio. Eu sabia que precisava de um pouco mais de preparação. Como meu pai havia dito antes de eu sair de casa, o líder não pegaria leve. Ele seria brutal e faria o possível para não me deixar ganhar. Portanto eu deveria fazer o mesmo e isso significava estar preparado. Caminhei pelas bonitas calçadas da cidade na direção norte, onde eu havia visto o topo alaranjado da minha construção favorita.

Quando alcancei a frente do Pokémon Centre, as portas automáticas se abriram para mim. Entrei e senti o ar condicionado do interior. Snivy, que caminhava ao meu lado, cruzou os braços e tremeu levemente. Aparentemente Pokémons de grama são mais sensíveis ao frio do que eu imaginava.

- Desculpe-me, Lierre. - disse eu e saquei a sua Pokéball, imediatamente chamando-a para dentro. Ela não contestou.

Dirigi-me para um balcão listrado de azul e branco na ala direita do edifício, onde se encontrava uma placa com a palavra: "PokéMart". Este era atendido por uma bela moça morena com a pele bronzeada e vestindo camisa azul e jeans. Ela me observou rapidamente a abriu um sorriso:

- Bom dia, senhor. No que posso ajudar?

- Olá. Eu estava procurando um TM novo para ensinar para a minha Snivy. - falei. Ela apenas alcançou alguma coisa embaixo de seu balcão e me entregou. Era uma lista com todos os TMs disponíveis. Enquanto observava as opções, eu ia também checando com a Pokédex para ver se Lierre aprendia determinado movimento. Fiz isso com a lista toda e foram poucos os que me chamaram a atenção. Decidi escolher o que eu acreditava ser o mais útil.

- Muito bem. - respondi, devolvendo a lista e guardando o meu aparelho eletrônico. - Vou querer o TM06 Toxic.

- Aqui está. - ela abriu uma gaveta em seu balcão e retirou de lá um CD de cor roxa. Eu o peguei e observei. Não entendia ainda como ensinaria aquilo para a minha Pokémon, mas iria tentar. Snivy precisava daquilo para vencer o líder local. E eu queria muito aquela vitória, já que uma revanche não estava nos meus planos tão cedo.

- Muito obrigado. - agradeci a atendente e paguei o preço mostrado na tabela: 500 Pokedólares. "As coisas estão cada vez mais caras hoje em dia" pensei, enquanto me dirigia para a saída do fresco Pokémon Centre e de volta para o fim de tarde morno de Striaton City.

Já de volta às ruas da cidade, pensei no que fazer a seguir. Eu sabia que precisaria ensinar o movimento à Snivy e seria interessante encontrar uma batalha para testá-lo também antes do Ginásio. Saquei minha Pokédex e observei as opções de rotas ao redor de Striaton. Eu havia acabado de sair da Rota 02 e não tinha certeza se queria, no momento, avançar para a Rota 03. Havia, entretanto, um lugar ao leste da cidade. Parecia haver uma boa quantidade de Pokémons selvagens por lá e que poderiam oferecer um bom último treinamento antes do Ginásio. Foi a minha decisão.

- Vamos, Snivy. - chamei, enquanto a liberava de sua Pokéball. Ela me observou, curiosa. Expliquei: - Nós vamos ao Dreamyard. Há um movimento e uma batalha que quero fazer com você antes de enfrentarmos o líder daqui.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Naoshi em Sab 05 Jul 2014, 18:38

O jovem Munhoz sempre foi um menino de extrema inteligência, e como consequência, suas decisões também são. Antes de prosseguir para o Ginásio de Striaton, optou por comprar um TM para Snivy, sua Pokémon, com o objetivo de ter um movimento que pudesse tornar sua Pokémon forte o suficiente para bater de frente com os pokémons dos líderes.
Após sair da loja, decidiu ir a um lugar perfeito para treinar: o  Dreamyard! Local com uma variedade incrível de pokémons, perfeito para batalhas emocionantes e é claro que nosso treinador não iria perder tal oportunidade. Entrou de cabeça erguida, analisando atentamente os mínimos detalhes. Quando menos esperava, um pequeno Purrloin se posicionava em sua frente.


Purrloin
Level 11 (Ability: Unburden)
Batalhar? | Fugir? | Capturar?
avatar
Naoshi
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 13
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 17

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $650

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Seg 07 Jul 2014, 16:26

O Sol já estava ameaçando se pôr sobre as decaídas ruínas do Dreamyard, pintando-as de laranja e alargando as sombras no chão. A atmosfera naquele lugar era pacífica e pacata, mas tinha um pouco também de mistério. As paredes e telhados semi-destruídos que pontilhavam aquela pequena floresta eram os restos de um antigo laboratório de pesquisas. A Pokédex havia me informado que a especialidade daquele complexo eram sonhos e um Pokémon psíquico em particular bastante raro. Mesmo após tantos anos com o edifício abandonado e destruído, havia ainda pequenas chances de encontrar aquele Pokémon, cujo nome eu havia lido ser Munna. Não era exatamente o meu estilo de Pokémon, mas se eu visse algum, por acaso, seria uma ótima história para contar. E aposto que um bom treinamento também.

O vento não conseguia soprar por entre as densas árvores que circundavam as ruínas, o que me permitia um ambiente calmo e sem som. Isso era reforçado pela falta de Treinadores e Pokémons passeando por ali naquele horário. Supus que todos já estavam voltando para casa, enquanto eu ainda tinha trabalho a fazer. Olhei para Snivy que caminhava junto a mim e agachei-me ao seu lado.

- Muito bem, Lierre. - comecei. - Eu quero te ensinar um movimento. Se chama Toxic. Ele tem um efeito bastante perigoso e pode nos dar uma vantagem contra o nosso inimigo no Ginásio. O que acha?

- Sniii. - ela respondeu, sem demonstrar muito interesse. Suspirei.

- Certo, garota. Vamos ver aqui... - saquei minha Pokédex. Eu havia notado que o aparelho eletrônico possuía um espaço onde era possível encaixar um CD. Curioso, retirei o TM roxo de minha mochila e inseri-o ali. Imediatamente a tela do dispositivo se acendeu e mostrou uma imagem com informações básicas do movimento, que eu li com atenção.

Pokédex - TM06 Toxic:

TM06 - Toxic

É um movimento que deixa o alvo bastante envenenado. O dano do veneno aumenta a cada turno.

Após isso, foi mostrada uma breve animação onde a silhueta negra de um Snivy utilizava o movimento em um alvo irreconhecível. Enquanto cada passo era realizado na montagem, a voz robótica da Pokédex ditava e explicava o que fazer ali, de forma a deixar bem claro quais os passos que minha própria Pokémon deveria seguir. Ao fim da animação, Lierre respirou fundo.

- Preparada? - perguntei. Ela acenou positivamente.

- Então tente usar o Toxic naquela árvore!

A serpente se concentrou. Fechou seus olhos e suas bochechas incharam, muito provavelmente enchendo-se do líquido venenoso que eu havia visto na explicação de meu dispositivo eletrônico. Como Lierre era um Pokémon de grama, não deveria lhe ser muito complicado produzir enzimas de veneno. Aquela parte, eu imaginei, era fácil. Teríamos apenas que trabalhar para que ela fizesse isso com um pouco mais de velocidade.

Alguns segundos depois ela abriu os olhos e a boca, confiante, e cuspiu um jato de gosma roxa. A precisão e a força, entretanto, estavam errados. Ela acabou atingindo o solo em uma diagonal do alvo, muito para a direita e para a frente. Apesar de frustrante, era previsível. Ela não conhecia ainda nenhum ataque similar àquele e não tinha ainda como ter a experiência de dispará-lo corretamente. Ela, porém, se chateou com isso, uma vez que abaixou a cabeça e bufou longamente.

- Tá tudo bem, Lierre. - disse eu, sorrindo para ela. - Você não precisa acertar de primeira, sabia? É um movimento complicado de ser aprendido. E você nunca teve contato com algo assim antes. Vamos trabalhar nele. Você consegue rapidinho.

Ela apenas voltou seu olhar para a árvore. Tentei ajudá-la.

- Olhe ali, Lierre. - apontei para o local no solo onde ela havia atingido o movimento. - A grama está morrendo, vê? Isso significa que você acertou na mistura venenosa. Agora você precisa focar em fazê-la mais rapidamente. Vamos com calma, ok? Vai, tente!

Ela se concentrou. Fechou os olhos e inchou as bochechas. Seus pequenos punhos cerraram-se ao lado do corpo, um sinal de que estava se esforçando bastante. Dessa vez levou bem menos tempo para ela abrir os olhos novamente, se virar para mim e acenar positivamente.

- Muito bem, esse tempo está melhor. Agora vamos com a mira. Alinhe seu nariz com o alvo, certo? E então, cuspa com força, mas não o suficiente para passar ele, certo? Você melhora isso com a prática. Tente de novo!

Ela chacoalhou o corpo para se concentrar. Fez o melhor trabalho de alinhamento que conseguiu e tomou fôlego, enchendo o peito de ar. E então cuspiu. O líquido foi disparado na força certa, o que era impressionante, mas passou um pouco à esquerda da árvore. A mira ainda não estava cem por cento.

- Estamos indo bem. Tente de novo. - aconselhei. E ela obedeceu. Com os olhos abertos e atentos dessa vez, encheu a boca do líquido venenoso em apenas um segundo e imediatamente cuspiu-o de novo. O ataque atingiu de raspão o tronco da robusta árvore e começou a derreter a casca, primeiro vagarosamente, mas mais rápido a cada segundo. Definitivamente era um ataque perigoso.

- De novo. - disse. Snivy repetiu todo o processo anterior em ainda menos tempo. O líquido roxo foi disparado com pressão e atingiu o tronco um pouco à esquerda de seu centro. O mesmo efeito de envenenamento ocorreu, onde a superfície ia derretendo cada vez mais rapidamente. Sorri. Era aquilo que procurávamos.

- Muito bem, Lierre! - elogiei. - Você conseguiu utilizar o Toxic. Podemos trabalhar um pouco mais na mira e força, mas isso você aprende com o tempo e prática.

- Sniii. - ela grunhiu e saltitou. Era um sinal de que estava alegre. Apesar de geralmente ser bastante indiferente e quase nunca demonstrar emoção, nada a alegrava mais do que provar que era boa. Eu não sabia dizer se essa provação era para si mesma ou para mim, seu Treinador, mas o que eu tinha certeza era que ter sido capaz de aprender aquele complicado movimento a enchia de orgulho e felicidade.

Levantei-me do chão e observei o ambiente ao redor.

- Por falar em prática, temos que encontrar algum Pokémon contra quem testar isso, não? Deixe-me ver...

Havia se passado 20 minutos desde que chegamos ali. Apesar de já serem 6 horas e meia, o Sol ainda não havia se posto. Era verão em Unova, o que significava que os dias eram longos e as noites eram curtas. Dessa forma eu ainda poderia aproveitar o que me sobrava de luz para realizar uma batalha por ali. O Dreamyard era uma combinação de laranja e sombras devido à posição do Sol naquele momento. Aquele lugar reservado na floresta não recebia vento, o que fazia com que a vegetação permanecesse parada e estática.  As ruínas estavam desertas. Não havia som além do chiado do veneno de Snivy derretendo a árvore e a grama.

Foi então que essa calmaria foi quebrada. Houve um farfalhar nos arbustos que cresciam encostados em uma parede podre que se equilibrava de maneira pobre em sua base destruída. Olhei naquela direção e aguardei que quem quer que seja que causou a movimentação aparecesse. Sutilmente, ele o fez. Eu já havia visto aquele Pokémon: um felino com pelagem roxa manchada de bege, grandes orelhas e uma cauda comprida. Seu olhar era inteligente, astuto e travesso. Ele piscou para Snivy, que respondeu com uma expressão de desprezo. Frustrado, Purrloin se aproximou.

- Purrrrr. - ele ronronou à alguns centímetros de Lierre, o que a fez recuar alguns passos de desgosto. Imaginei que o Pokémon noturno estava tentando cantá-la. Porém a sua postura, seu olhar e o tom de seu grunhido revelavam que ele seria o mais próximo que havia de um babaca no mundo Pokémon. Isso enojava a mim também.

O felino irritou-se com a rejeição de Lierre e começou a circulá-la lentamente, ronronando enquanto o fazia. Em um momento ele tentou chegar muito perto e encostar-se na serpente. Isso foi demais para ela. De seu colarinho surgiram duas vinhas que voaram em alta velocidade na direção de Purrloin e o chicotearam com força e violência, emitindo um estalo audível. Purrloin foi arremessado para trás pelo Vine Whip e caiu em cima de alguns arbustos, não se machucando muito fisicamente, mas destruindo seu orgulho. E a raiva tomou conta dele, que assumiu posição de batalha.

- Lierre, preparada? - perguntei. Ela assentiu com a cabeça e assumiu a sua própria posição no campo de batalha. Sua expressão facial era de irritação, denunciando que aquele Pokémon havia passado dos limites com ela. Eu estremeci ao pensar em como ela poderia mostrar ao Purrloin, durante a batalha, o significado das palavras crueldade e dor.



- Ok, Lierre, vamos começar com Leer.
Minha Pokémon obedeceu, mas foi de mal gosto. Eu via em seus punhos cerrados e dentes trincados que ela queria avançar e atacar aquele atrevido fisicamente. Porém, respeitou minha decisão de miná-lo estrategicamente primeiro. Seus olhos assumiram o seu temido brilho avermelhado enquanto a sua expressão facial traduzia a raiva interna que a serpente sentia naquele momento. Purrloin, que já estava se aproximando lentamente, vacilou de medo. Suas pernas fraquejaram por um momento enquanto a sua Defesa era duzida em um estágio. Como resposta ele optou por um movimento ofensivo. Mostrou suas afiadas garras e as fez brilhar fracamente, para a seguir lançar-se em uma série de saltos na direção de Snivy a fim de atingi-la com um arranhão doloroso (Scratch). A resposta da Pokémon, entretanto, foi apenas saltar para a direita e deixar com que o oponente fincasse suas unhas no chão, lançando um montinho de terra pro alto.

- Certo, Tackle! - comandei.
Snivy executou com precisão e frieza. Sem perder tempo, ela aproveitou-se da vulnerabilidade do Purrloin que havia acabado de errar um ataque e lançou-se numa investida em sua direção. Suas perninhas davam a ela um grande impulso acelerado pela leveza de seu corpo e a elegância de seus movimentos. Com velocidade ela cobriu a curta distância que os separavam e atingiu o felino com seu corpo, derrubando-o no chão e fazendo-o rolar alguns centímetros. Ele levou algum tempo para se levantar, já sentindo as dores da batalha. Snivy se encontrava parada, preparada e atenta, mas não demonstrava um traço de cansaço ou de estar machucada. Isso irritou Purrloin profundamente, o que o motivou a tentar mais um Scratch. Suas garras voltaram a assumir o brilho branco e suas pontas afiadas rumaram em alta velocidade e destreza na direção de Snivy. No entanto, a serpente estava preparada e não aceitaria ser atingida por aquele felino abusado. Sua cauda repentinamente começou a brilhar com uma luz ainda mais potente do que a que envolvia as unhas de seu adversário. Com um giro rápido de seu corpo no momento certo, ela usou essa parte de seu corpo para espancar o Purrloin que se aproximava antes deste mesmo conseguir atacar. O felino foi arremessado para o lado e se chocou com força contra uma árvore, o que emitiu um alto ruído e derrubou algumas folhas e frutos da mesma. Lierre havia usado um Slam!

- Vamos estrear o Toxic(TM) agora!
Aquele era um momento importante. Purrloin estava parado próximo ao tronco da árvore, tentando se recuperar do impacto e se levantar. Era um alvo fácil há cerca de 3 metros de Snivy. Mesmo assim era a oportunidade perfeita para que ela testasse o seu movimento na prática e soubesse se daria certo ou não. Ela inflou o peito e encheu as suas bochechas, ao mesmo tempo em que alinhava a ponta de seu nariz com o felino caído. Em um segundo, ela deu um salto e cuspiu todo o líquido roxo venenoso que havia produzido, que atingiu o lado das costas de Purrloin com pontaria perfeita. O Pokémon imediatamente miou de dor ao sentir o movimento o envenenando e se espalhando pelo seu corpo de forma lenta. Sua opção, portanto, foi utilizar um ataque de status. Sua boquinha se abriu e emitiu um fraco ruído agonizante. O efeito que ele esperava que aquele Growl tivesse era reduzir o Ataque de Lierre em um estágio. Devido à habilidade Contrary da Pokémon, entretanto, havia tido o resultado oposto: a capacidade ofensiva dela foi aumentada levemente. Já frustrado e irritado com isso, o felino gemeu de dor quando o veneno agiu e causou-lhe danos. Estes que eram pequenos no começo, mas iriam aumentando com o tempo.

- Certo. - disse eu, satisfeito. O movimento funcionara e estávamos finalmente prontos para o Ginásio. Só o que precisávamos fazer agora era derrotar aquele adversário. - Use o Mega Drain!
Snivy apenas recuou um pouco e apontou a folha de sua cauda para o seu oponente. Esta passou a emitir um brilho esverdeado e logo a seguir disparou em Purrloin um poderoso raio de energia da mesma coloração. O movimento envolveu o felino em luz verde, fazendo-o gritar de dor. Enquanto isso Snivy se sentia cada vez mais saudável e confiante, chegando até mesmo a sorrir. Eu sabia que o efeito daquele traiçoeiro movimento era drenar a energia vital de um Pokémon alvo e restaurá-la parcialmente ao usuário. Purrloin ficava cada vez mais fraco, enquanto a serpente regenerava os poucos ferimentos que tivera na batalha. Quando o movimento finalmente cessou, o felino sabia que a sua única opção agora era tentar revidar ofensivamente. Com dificuldade ele se levantou e mostrou as afiadas garras, que agora se encontravam sujas de terra. Para realizar o Scratch, elas voltaram a brilhar e ele avançou correndo até Snivy. Quando ele desferiu o primeiro arranhão com as garras esquerdas, a serpente agilmente saltou para a direita. Porém, ele estava preparado para isso. Estendeu a outra pata e atacou-a antes que pudesse mudar de direção, machucando-a levemente na barriga. Ela recuou alguns passos, os olhos faiscando de fúria. Purrloin havia conseguido ser mais esperto que ela e sorriu por isso, o que durou pouco. O veneno voltou a fazer efeito e causou-lhe mais dano do que antes. A dor fez com que ele caísse no chão de joelhos, quase incapaz de continuar. Era a nossa chance de finalização.

- Termine com o Leaf Tornado!
Lierre sorriu cruelmente. Sua única ação foi apontar a folha de sua cauda na direção do oponente e começar a girá-la levemente. Imediatamente uma grande quantidade de folhas brilhantes se materializou ao redor de Purrloin e estas começaram a girar em torno dele, devagar a princípio, mas aumentando a velocidade exponencialmente. Em poucos segundos elas haviam formado um tornado de folhas em volta de ele, que foi arrancado do chão pela potência do movimento. Junto às folhas ele começou a girar rapidamente no ar, sendo arremessado de um lado para o outro enquanto tomava dano das plantinhas afiadas ao seu redor. Por fim, quando o movimento parou de súbito, ele foi arremessado para longe devido à inércia. Seu corpo se chocou contra uma das frágeis paredes das ruínas do Dreamyard e a derrubou, causando um estrondo. O Purrloin caiu no chão, levantando uma nuvem de poeira e terra, e não se moveu mais por vários segundos. Decidi correr até ele.

- Está desmaiado. - contei a Snivy, quando me aproximei do felino. Ele estava caído com os olhos revirados, sem se mover. Os machucados da batalha pontilhavam a sua pelagem, assim como grama, terra e pó das ruínas. Meu primeiro impulso era de levá-lo ao Pokémon Centre, mas pensei melhor. Ele iria se recuperar, eu sabia disso. E seria uma boa lição para que ele não abusasse mais as Pokémons alheias. Olhei para Snivy e ela concordou com aquilo, ainda sorrindo sadisticamente. Preferi não pensar nisso.

- Muito bem. Foi uma grande batalha. - retomei enquanto eu e ela dávamos as costas ao campo de batalha e seguíamos nosso caminho de volta a Striaton City. O Sol já estava quase completamente escondido sob o horizonte, restando para nós apenas alguns poucos raios de luz. A estrada, porém, era iluminada a cada poucos metros  por postes elétricos. - Você aprendeu um movimento novo, que será muito bem vindo em próximas batalhas. Agora eu acho que estamos finalmente prontos para enfrentar o Ginásio, Lierre.

Ela apenas assentiu com a cabeça, sem demonstrar emoção. Dei de ombros. Eu esperava que ela estivesse tão animada quanto eu para esse desafio. Era o nosso primeiro em Unova e provavelmente abriria os portões para muitas mais aventuras e batalhas emocionantes. Eu mal podia esperar pelo dia seguinte. Porém, eu teria que jantar, tomar um banho e dormir a noite primeiro. E, para isso, eu me encaminhava em passos largos e animados para o Pokémon Centre de Striaton City.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Lady McCartney em Seg 07 Jul 2014, 22:40

+4 níveis para Snivy. Parabéns pelo novo ataque!

Após um cansativo dia de batalhas, Connor e sua companheira seguiram para dentro de um Centro Pokémon, à procura de certo descanso, para no dia seguinte, estarem prontos para desafios ainda maiores.
A enorme porta de vidro se abriu automaticamente com a aproximação da dupla, que adentrou o enorme espaço destinado a atender às necessidades dos treinadores.
Eles já conheciam tanto o local, quanto a sua adorável atendente de cabelos rosados, que sorriu, ao ver a dupla se aproximar.
Os dois se dirigiram ao balcão, cumprimentaram a enfermeira.
— Então, ensinou o TM para sua Snivy? — perguntou ela, amigavelmente, pois havia vendido-o para o garoto naquele mesmo dia.
O garoto confirmou, e conversou com a moça, até que explicou:
— Nós pretendemos passar a noite, você tem um quarto sobrando?
A enfermeira checou no computador, e então respondeu:
— Eu tenho sim — jogou a chave por cima do balcão — Você pode pegá-lo quando quiser!
O garoto se virou para entrar no elevador que levava para o segundo piso do estabelecimento, onde haviam os quartos, tomado pela vontade de relaxar e tomar um banho, quando ouviu novamente o chamado de Joy:
— Connor?! É esse seu nome, não é? — perguntou, um pouco sem-jeito — Pode voltar aqui um instante, por favor?
Connor achou estranho, mas não hesitou, caminhando até o balcão.
— Eu precisava de um favor seu! — explicou ela — Preciso disso hoje, com urgência, e não tenho ninguém que possa o fazer, posso recompensá-lo depois!
— Bom, posso tentar ajudá-la — respondeu, esperando por maiores orientações.
A enfermeira respirou fundo, e começou a explicar:
— Hoje cedo, uma garotinha veio aqui me entregar uma carteira, ela não conhecia o dono, havia encontrado na rua, e pediu para que eu guardasse até que o dono viesse buscá-la. Mas ele não veio — ela respirou fundo — Vi os documentos dele, e dei uma procurada, uma garota disse que havia batalhado com ele, mas ele havia saído em direção à Route 03, para capturar algum pokémon, mas eu não poderia abandonar meu trabalho. Você teria algum problema em procurá-lo para mim? Eu te recompensaria.

ORIENTAÇÕES:

Você deve sair em busca do dono da carteira, que é um garoto de 16 anos chamado Harry Stweart. Passe pela cidade, procure informações, e siga então na rota 03. Talvez ao chegar lá, algum pokémon atrapalhe seu caminho, não hesite em batalhar com ele para seguir seu caminho. Narre sua chegada até a rota 03 passando pela cidade, em no mínimo 20 linhas, e chegando lá, descobriremos o curso que a missão tomará.











avatar
Lady McCartney
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 43
Data de inscrição : 17/06/2014

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1000

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por SempreMunhoz em Qui 17 Jul 2014, 15:46

Eu escutei com atenção tudo o que a enfermeira disse sobre a minha pequena missão. Aparentemente era algo fácil. Apenas encontrar esse tal de Harry Stweart e entregar-lhe a sua carteira? Eu podia fazer isso. Além disso, era uma ação heroica e eu gostava disso. Sem hesitar respondi afirmativamente para a enfermeira:

- Muito bem, moça. Eu farei o serviço. Mas começarei a procurar pelo dono amanhã, se não se importar. Já está tarde e eu imagino que mesmo ele, se estiver ainda na Rota 03, está montando o acampamento para a noite. - expliquei. - Além de que a minha Pokémon está cansada de todas as batalhas que tivemos hoje.

- Eu entendo. - respondeu a enfermeira. - Então, por favor, descanse um pouco. Amanhã você devolve isso ao seu dono por direito. - Então sorriu, entregou-me o objeto e voltou a cuidar de seus afazeres diários. O relógio na parede logo atrás do balcão marcava 7 horas e 46 minutos, o que significava que o dia já estava no fim. O Centro Pokémon estava bem mais movimentado do que algumas horas mais cedo, com várias crianças e adolescentes entrando e se encaminhando até a moça que cuidava de seus Pokémons. Muitos havia treinado o dia inteiro, como eu, e agora tudo o que buscavam era uma noite tranquila numa cama quente e confortável e o conhecimento de que o seu companheiro de batalhas estava sendo tratado por boas mãos.

Tendo já feito a reserva de meu quarto, me encaminhei até o refeitório. Abri as portas de alumínio e me encaminhei até a cantina do local, de onde os mais deliciosos aromas emanavam. A comida dos Centros Pokémons não era gratuita, mas compensava isso com um sabor incrível. Servi meu prato com bife a parmeggiana, fritas e um refrigerante de limão e sentei-me em uma mesa com Lierre. Eu havia pego para ela uma fruta suculenta, a qual a Pokémon segurava com suas vinhas enquanto dava pequenas mordidas, como uma dama. Não pude evitar rir alto, o que a fez levantar as sobrancelhas.

- Você é bem contraditória. - expliquei, gargalhando. - No campo de batalha, uma serpente cruel e fria. Na mesa de jantar, uma dama requintada. Isso é muito engraçado!

Ela fechou os olhos e deu de ombros, continuando a comer a sua maçã. Porém, percebi que suas bochechas coraram um pouquinho. Ah, aquilo era, sim, engraçado.


Quando finalmente deitei na cama de casal de meu quarto alugado, meu smartphone da MunhozTech marcava 9:13. Eu já havia terminado de jantar, subido o elevador até o segundo andar do Centro Pokémon e tomado um merecido banho, substituindo minhas roupas de viagem pelo meu pijama azul. Enfiei-me embaixo das cobertas e vi Lierre se ajeitar ao meu lado. Fazia apenas um dia que estávamos juntos e eu já a considerava a minha melhor amiga no mundo todo. Apesar de ser um tanto super confiante e arrogante, era uma Pokémon leal e prestativa. Eu havia percebido que podia contar com ela para me apoiar e mostrar-me os meus erros, caso eu cometesse algum. Ela seria justa e verdadeira, o que me auxiliaria muito a crescer como Treinador.

E esse havia sido apenas o primeiro dia. Enquanto observava o teto branco do quarto, fiquei me perguntando quantas outras excitantes aventuras viveríamos nos próximos dias. Já havíamos enfrentado Pokémons selvagens fortes e fracos e uma Treinadora. Snivy já havia evoluído muito e até mesmo aprendido um movimento por TM. E se tudo ocorresse bem com a entrega da carteira no dia seguinte, já poderíamos enfrentar o líder de um Ginásio. Estávamos indo muito bem e eu considerava isso um sinal de que nos tornaríamos um time excelente! E em pouco tempo eu estaria em casa novamente, falando para o meu pai e minha mãe: "Olhem só! As oito insígnias de Unova! Conquistei todas elas, pessoal, com o meu incrível time de Pokémons!" Isso seria um momento extraordinário.

E foi com esses pensamentos que bocejei e ativei o interruptor o lado da cama, o que fez a luz se apagar.

- Boa noite, Lierre. - disse eu antes de me aconchegar na cama e cair no sono.



No dia seguinte, eu já estava na calçada à frente do Centro Pokémon às 7 horas da manhã. Com a roupa trocada e o café da manhã tomado, eu me encontrava preparado para seguir em frente com a minha missão de encontrar o dono da carteira. Harry Stweart havia seguido para a Rota 03 e, se eu tivesse sorte, ele ainda estaria lá. Caso contrário, teria que deixar o objeto com a bondosa enfermeira e torcer para que ele se lembrasse de voltar para buscar.

Olhei ao redor. A cidade já estava movimentada, mesmo de manhã. O restaurante que eu havia visto no dia anterior estava recebendo carregamentos de comida, que eram transportados para dentro do edifício por pequenos trenós puxados por Lillipups. A academia Pokémon já acolhia os seus primeiros estudantes matinais, que vinham de todas as partes de Unova apenas para ter uma aula com os melhores especialistas do continente. E, além disso, os próprios moradores de Striaton City se encaminhavam para os seus empregos, fossem eles tanto na própria cidade quanto em algum povoado vizinho. Não pude deixar de notar como aquilo era uma manhã típica de Castelia City, apenas em uma escala muito, muito menor.

Deixei esses pensamentos de lado e decidi focar na missão que eu tinha no momento. Se eu quisesse entregar a carteira antes de perder Harry completamente, teria que me apressar. Caminhei com passos largos, seguindo os calçamentos da cidade na direção oeste. De acordo com o mapa, era lá que eu encontraria a saída de Striaton City e a entrada da Rota 03. De lá, eu poderia sair fazendo perguntas para descobrir se alguém havia visto recentemente o garoto cuja face estava estampada nos documentos que a enfermeira me entregara.

Apesar de ser inverno, a manhã estava morna na cidade. O Sul de Unova era um pouco mais temperado do que as suas frias áreas setentrionais, o que significava que normalmente a sua temperatura era mais gostosa. Isso me dava o ânimo e a disposição física perfeitos para caminhar pelas ruas bem organizadas de Striaton City por alguns minutos, até finalmente localizar o enorme arco de madeira branca que separava Striaton City do jardim de saída da cidade, uma das localidades mais bonitas de todo o continente.

A área verde, forrada de grama, era cercada por um pequeno lago, que era possível se atravessar por uma pontezinha de madeira. Uma fonte jorrava água refrescante no centro do jardim, que era pontilhado por vários arbustos cortados, podados e moldados a fim de assumirem formas de variados Pokémons. Esse ambiente era perfeito para o encontro e socialização de Treinadores e monstrinhos, que se encontravam por todos os cantos. Muitos deles batalhavam, enquanto outros descansavam ou apenas apreciavam o bonito lugar. Era lá que eu pretendia conseguir qualquer informação que me levasse para a atual localização de Harry Stweart.

Assim que pisei no jardim, notei um grupo de jovens conversando em uma rodinha. Eles aparentavam ter entre 14 e 18 anos, e havia cerca de 7 ou 8 deles. O mais alto, que vestia uma jaqueta e boné pretos, parecia estar liderando a conversa. Os outros apenas gargalhavam de vez em quando e faziam breves comentários. Supus que eu deveria começar a minha procura por ali e me aproximei despreocupadamente. Lierre, como sempre, caminhava orgulhosamente ao meu lado.

- Bom dia, pessoal! - falei e acenei. - Sou Connor Munhoz, muito prazer.

Eles pararam a conversa imediatamente e olharam para mim. Aguardei que se apresentassem, mas nenhum deles fez isso. Apenas após alguns poucos segundos de tensão  que o mais alto, provavelmente o líder do bando, se aproximou. Ele tinha alguns centímetros a mais que mim, então se agachou para me olhar nos olhos.

- Olá "Connor Munhoz". - ele disse num tom debochado. - Meu nome é Mike. Que que tu quer?

Decidi não recuar e encarei-o com frieza, tentando ao máximo imitar o olhar de Lierre em suas batalhas. Notei com o canto do olho que ela sorriu, o que interpretei como sendo uma aprovação ao meu sucesso. Eu respondi:

- Estou procurando um garoto de 16 anos chamado Harry Stweart. - mostrei-lhes a foto no documento da carteira. - Deve estar na Rota 03 agora. Algum de vocês o viu?

- Não faço ideia, moleque. - respondeu Mike, com desprezo, e me deu as costas para tentar voltar a conversar com o seu grupo de amigos. Suspirei, irritado. Isso chamou a atenção de um dos garotos, que me olhou com simpatia e se aproximou. Quando o líder da turma tentou impedi-lo, ele apenas afastou a mão do mesmo com um tapa.

- Olá, Connor. - ele cumprimentou. Parecia ter 15 anos, como eu. Tinha cabelos curtos e cacheados, na cor castanho, assim como os olhos. Vestia um suéter bege, calças de lã negras e sapatos sociais de couro marrom. Carregava uma bolsa de ombro com ele, o que denunciava ser um viajante. Ele se apresentou:  - Eu sou Charles, muito prazer. Eu vi esse garoto que você procura.

- Sério? Você sabe onde ele está? - perguntei animado.

- Não sei exatamente, mas ele estava na Rota 03 quando passei lá hoje de manhã. Estava levantando acampamento. Se você se apressar, acredito que ainda possa alcançá-lo.

- Muito obrigado. - agradeci e apertei a sua mão. A expressão de Mike revelava que ele não havia gostado muito do garoto ter me dado aquela informação, então lancei-lhe um aceno de mão irônico. Ele cerrou os punhos, mas não fez nenhum movimento. Decidi que era melhor não provocar mais e saí caminhando na direção norte.

O meu smartphone já marcava 7 horas e 45 minutos. A manhã ainda estava fresca, com um vento suave atravessando o jardim. O Sol já tinha uma posição proeminente no céu, aquecendo o solo e deixando o tempo bem agradável. Snivy tinha sua folha da cauda levantada enquanto caminhávamos, uma vez que ela sobrevivia da fotossíntese. E aquele era um ótimo dia para que esta fosse realizada.

Não demorou muito para que chegássemos no segundo arco de madeira, desta vez simbolizando a entrada para a Rota 03. Esta era uma grande área verde, cerca de florestas de coníferas densas e cheias de vidas selvagens. No entanto, ela também possuía alguns campos abertos e algumas regiões com arbustos e gramíneas, perfeitas para Pokémons de médio porte correrem livremente. Com sorte, eu encontraria Harry ali. Eu passei sob o arco e comecei a caminhar pela larga estrada de terra que adentrava a Rota 03. Naquele momento eu tinha apenas um objetivo em mente: devolver a carteira ao seu dono por direito.
avatar
SempreMunhoz
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 48
Data de inscrição : 18/06/2014
Idade : 48

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1750

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Lady McCartney em Sex 18 Jul 2014, 15:21

Movido pelo instinto moral, o garoto caminhava a procura de Harry Stewart, o garoto que abandonara sua carteira sem perceber, e talvez ainda não tivesse se dado conta disso.
A única pista que Munhoz tinha era a foto, o nome e a idade do garoto. Mesmo assim, o garoto e sua Snivy seguiam seu caminho calmamente, caminhando por sobre as gramíneas e as inúmeras folhas que se encontravam no chão da arborizada rota.
Era a primeira vez que adentravam Rota 03, por isso aquela era também uma oportunidade para ganhar um preparo maior para o ginásio.
Munhoz olhava para os lados, e para a frente, procurando pelo suposto jovem que deveria estar por perto.
Mas acabou esquecendo de olhar no chão, e só foi perceber seu erro quando caiu sobre um monte de pelos bem fofo, que uivou de dor, e se levantou, recuando, e então se posicionando na frente do garoto, determinado a contra-atacar.
Talvez o garoto, com pressa, ainda pudesse fugir, mas essa decisão estava completamente em suas mãos.


Lillipup
Level: 09
Ability: Run Away
avatar
Lady McCartney
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 43
Data de inscrição : 17/06/2014

Ficha de Treinador
Pokémons:
Mochila:
Dinheiro: $1000

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Convidado em Seg 11 Ago 2014, 17:51



Migramos para: http://www.pokemonrpgonline.org/

Se cadastrem e me chupem os colhões, By: Belwolf


Se juntem a nós e larguem essa merda de forum!

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Jornada] Connor Munhoz

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum